Cerca de 360.000 adolescentes vão morrer de SIDA ou doenças relacionadas até 2030

Lusa




Partilhar

Cerca de 360.000 adolescentes morrerão de SIDA ou de doenças relacionadas até 2030 se não houver progresso na investigação, prevenção e tratamento, o que significa 76 mortes por dia, alertou hoje a UNICEF.

O número de novas infeções na população até aos 19 anos, com base em projeções e tendências atuais, é estimado em 270.000 em 2030, o que representa uma queda de um terço em relação ao atual, segundo o relatório “Crianças, HIV e SIDA: O mundo em 2030 “, publicado dois dias antes do Dia Mundial de Combate à Sida.

As mortes em crianças e adolescentes devido à SIDA ou doenças relacionadas também cairão dos atuais 119.000 para 56.000 em 2030, o ano estabelecido pela ONU para erradicar a doença.

Mas, somando-se as mortes acumuladas, os dados mostram que vão morrer quase 80 adolescentes por dia, em média, até 2030.

“O relatório deixa claro, sem dúvida, que o mundo está errado quando se trata de acabar com a SIDA nas crianças e adolescentes até 2030”, disse a diretora executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Henrietta Fore.

“Os programas para tratar o vírus e prevenir sua disseminação entre outras crianças estão longe do que deveriam ser”, acrescentou a responsável.

Cerca de 700 adolescentes entre 10 e 19 anos são infetados todos os dias com o vírus da SIDA (Vírus da Imunodeficiência Humana – VIH).

De acordo com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, até 2030 o número de novas infeções em crianças durante sua primeira década de vida deve baixar para metade e em 29% entre a população entre os 10 e os 19 anos.

Atualmente, três milhões de crianças e adolescentes vivem com o VIH no mundo e mais de metade estão no sul e no leste da África.

Há dois grandes fracassos na resposta à doença em crianças, segundo a UNICEF: o lento progresso na prevenção do VIH e o fracasso em enfrentar o condutor da epidemia, o que faz com que muitas crianças e adolescentes não saibam se têm VIH e, quando sabem, poucos seguem o tratamento.

O relatório recomenda ainda um aumento dos testes para diagnosticar crianças com VIH, mas que não conhecem a sua condição, mais tecnologias de diagnóstico e uma abordagem comunitária para chegar aos adolescentes.

“Não podemos vencer a batalha contra o HIV se não acelerarmos o progresso na prevenção da transmissão para a próxima geração”, alertou Fore.

Comentários do Facebook

Partilhar
<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<ins class="adsbygoogle"
     style="display:block"
     data-ad-format="autorelaxed"
     data-ad-client="ca-pub-7513151535689663"
     data-ad-slot="7531535151"></ins>
<script>
     (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>