Taxistas querem apurar “verdadeiros culpados” de incidentes em Luanda, cidade regressa ao normal

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Luanda regressou esta manhã, lentamente, à normalidade, um dia depois dos incidentes durante uma paralisação de taxistas, que rejeitam intenções políticas e pedem às autoridades para encontrar os “verdadeiros culpados” dos atos de vandalismo de segunda-feira na capital.

Numa ronda feita em várias zonas da cidade, a Lusa constatou que os táxis, transportes coletivos privados que levam até 15 passageiros, também conhecidos como “azuis e brancos” ou “candongueiros”, estão hoje a circular e a transportar pessoas e nas paragens não se verificam as enchentes de segunda-feira.

No FTU, Golf II (Kilamba Kiaxi),  BCA (Viana), Gamek e Rocha Pinto (Maianga), Aeroporto e Largo da Independência, alguns dos pontos com maior intensidade de tráfego e acumulação de passageiros, a situação era de normalidade desde as 06:00 de hoje.

Os líderes das associações de taxistas convocaram para hoje uma conferência de imprensa para falar sobre o diferendo que mantêm com as autoridades angolanas, voltando a demarcar-se  e sublinham, num comunicado, que a paralisação tem “objetivos meramente sociais, e não políticos”.

Rejeitam qualquer ligação com os atos de vandalismo que ocorreram no distrito urbano de Benfica (arredores de Luanda), no decurso dos quais foi incendiado um edifício do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), partido no poder, e instam a polícia a apurar e responsabilizar civil e criminalmente os implicados para se encontrar “os verdadeiros culpados”.

Salientam ainda que a paralisação tem “objetivos meramente sociais, e não políticos, pois o fim último consubstancia-se na valorização e respeito da atividade do táxi”, e reafirmam estar abertos ao diálogo com as instituições do Estado angolano para pôr fim ao diferendo.

Na segunda-feira, o secretário provincial do MPLA em Luanda, Bento Bento, sugeriu que elementos da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), o principal partido da oposição, estariam ligados ao vandalismo, o que a UNITA desmentiu, recomendando antes ao governo que “resolva os problemas do povo”.

Ambos os partidos, que vão disputar este ano eleições gerais, condenaram veementemente os incidentes.

Estradas cortadas, um autocarro do ministério da Saúde queimado e os seus funcionários agredidos, tentativa de linchamento de jornalistas foram outros dos atos de violência ocorridos no dia da paralisação dos taxistas.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.