Carolina Cerqueira desvaloriza impacto do isolamento face à África austral

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A ministra de Estado para Área Social desvalorizou hoje o impacto económico da suspensão de ligações com sete países africanos, admitindo que a medida será revertida com o evoluir da situação pandémica.

Angola anunciou na semana passada a suspensão temporária de ligações com sete países africanos — África do Sul, Botsuana, Essuatíni, Maláui, Moçambique, Namíbia e Zimbabué — a partir de 01 de dezembro, devido ao aparecimento da nova variante Ómicron do SARS-CoV-2 na África do Sul.

“Foi uma medida que tomámos de emergência devido às consequências que poderiam advir, mas que não quer dizer que não possamos revê-la e adaptá-la ao evoluir da situação”, disse Carolina Cerqueira, que falava aos jornalistas à margem do Congresso da SEDES – Associação para o Desenvolvimento Económico e Social, que decorre desde sexta-feira e até domingo em Carcavelos, concelho de Cascais.

Questionada pela Lusa sobre as consequências económicas dessa medida para a população angolana, a ministra disse que “vai agravar tanto como agravou até agora a pandemia”.

“O tecido social ficou desestabilizado com a pandemia, a economia retrocedeu, as famílias ressentiram-se na diminuição do seu poder de compra. O Governo tentou compensar essas faltas e essas carências com ajuda alimentar às populações mais necessitadas. Estamos a abrir a nossa economia aos poucos”, disse.

A ministra acrescentou ainda que Angola já tem cerca de 30% da população vacinada contra a covid-19, e mostrou-se confiante de que “a população angolana acima de 18 anos vai ser vacinada na sua maioria”, embora sem avançar com prazos temporais.

“Nós conseguimos alargar a rede de vacinação a nível do país, tanto através das ajudas que nos têm vindo a ser dadas por vários países, entre os quais destacamos os Estados Unidos da América, Portugal e a China, como também pelo facto de nós, Governo angolano, estarmos a adquirir vacinas, (…) com meios financeiros disponibilizados pelo Orçamento Geral do Estado”, disse a ministra.

Carolina Cerqueira acrescentou que as autoridades angolanas já vacinaram também um grande número das populações nómadas, grupos tradicionais que existem sobretudo no sul e sudeste de Angola.

“Pensamos que a nível da África austral, nós somos dos países que temos resultados mais positivos. Aliás, dos países vizinhos, a RDCongo e Congo Brazzaville, nós sentimos que Angola efetivamente está a levar muito a sério a contenção da pandemia”, concluiu.

A covid-19 provocou pelo menos 5.233.111 mortes em todo o mundo, entre mais de 263,61 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como “preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em cerca de 30 países de todos os continentes, incluindo Portugal. Em Angola, ainda não foi detetado nenhum caso desta nova variante.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.