Rússia teve o mês mais letal da pandemia em outubro com 74.893 mortos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Rússia registou em outubro 74.893 mortes associadas à covid-19, o mês mais letal para o país desde o início da pandemia, divulgou na sexta-feira a agência de estatísticas Rosstat.

O número total de mortes causadas pela pandemia de covid-19 na Rússia era superior às 520 mil no final de outubro, segundo a Rosstat, que tem uma contagem de mortes associada ao coronavírus SARS-CoV-2 mais ampla do que o Governo russo.

Segundo o relatório divulgado na sexta-feira, a Rússia, que tem 145 milhões de habitantes, é o terceiro país mais afetado no mundo, a seguir aos Estados Unidos e ao Brasil.

A contagem feita por Moscovo, mais restrita, assinala 278.858 mortes desde o início da pandemia, segundo os números mais recentes.

No início do outono, a Rússia foi duramente atingida por uma nova vaga da pandemia, devido à variante Delta.

As autoridades russas atribuem o aumento das infeções e mortes à agressividade da variante Delta, ao não cumprimento das medidas sanitárias por muitos dos habitantes e, acima de tudo, à baixa taxa de vacinação.

A Rússia conta com várias vacinas próprias, incluindo a Sputnik V, mas apenas 39,9% da população tem o esquema vacinal completo, segundo o ‘site’ especializado Gogov.

O confinamento mais restrito decretado na primavera de 2020 não voltou a ser aplicado pelas autoridades, apesar das novas vagas da pandemia, com o objetivo de evitar uma crise económica.

Em outubro, no entanto, as autoridades determinaram o encerramento de serviços “não essenciais” em Moscovo durante onze dias.

A nível nacional, o presidente russo Vladimir Putin decretou uma semana de férias entre 30 de outubro e 07 de novembro.

Esta sexta-feira a Rússia registou mais 32.930 infeções e mais 1.217 mortes nas últimas 24 horas .

A covid-19 provocou pelo menos 5.233.111 mortes em todo o mundo, entre mais de 263,61 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como “preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em cerca de 30 países de todos os continentes, em Angola ainda não foi detetado nenhum caso da nova variante.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.