Mais de mil delegados da UNITA iniciam votação para eleger presidente do partido

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Mais de mil delegados da UNITA iniciam esta tarde a eleição do novo presidente do maior partido da oposição em Angola, lugar a que concorre apenas Adalberto da Costa Júnior, eleito no último congresso mas afastado pela justiça.

Adalberto da Costa Júnior foi eleito presidente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) no XIII Congresso, realizado em novembro de 2019, e afastado posteriormente na sequência de um acórdão do Tribunal Constitucional, que determinou a anulação deste congresso e a realização de um novo conclave, que se iniciou na quinta-feira.

No terceiro e último dia do XIII Congresso, cujo ponto alto é a eleição do novo presidente, a votação foi antecedida pela aprovação de um conjunto de resoluções e vários intervenções que levaram a votação, que estava prevista para as 10:30, a derrapar para o início da tarde.

Dos 1.150 delegados previstos, apenas 1.141 vão participar no ato eleitoral, pois nove estão suspensos.

Questionado sobre os motivos que levaram à suspensão de três membros da Comissão Política, depois de outros sete militantes terem sido suspensos, esta semana, o porta-voz do partido, Ruben Sicato, indicou que a decisão se deveu a razões de ordem disciplinar e que todos terão oportunidade de falar em sua defesa.

Sublinhou ainda que ninguém na UNITA, principal partido da oposição angolana, é “expulso por pensar diferente”.

“Aliás, estes nossos colegas, tanto do primeiro grupo como do segundo grupo, estiveram presentes quando se apresentou a proposta de resolução que iria, ou não, suspendê-los. Não é um delito de pensamento. Somos um partido que defende a democracia”, vincou o responsável.

No final, o partido poderá dar-lhes razão e reconhecer ter cometido uma injustiça ou decidir expulsar os militantes.

“O processo não acaba aqui, passa para o órgão de jurisdição, é onde eles estão e eles fazem a sua defesa. Se houver uma situação em que não se consigam defender ou surjam até questões mais complicadas podem ser expulsos, mas também o inverso pode acontecer, chegar-se à conclusão de que o que aconteceu com a suspensão foi um ato injusto”, afirmou Ruben Sicato.

Destacou também que a suspensão não tem qualquer interferência no ato eleitoral que se iniciou esta tarde e será acompanhado pela imprensa.

“É algo que acontece em todos os partidos do mundo, há sempre alguém que está em contramão com a disciplina do partido e aí há dois caminhos, ou o partido permite que isso continue e entramos em situação de anarquia e corre o risco de desaparecer ou então tem de impor ordem, algo que não é inédito na história do partido”, rematou.

A direção da UNITA suspendeu na quarta-feira três membros da Comissão Política, entre os quais José Pedro Katchiungo, que disputou a liderança do partido no congresso realizado em 2019, que elegeu Adalberto da Costa Júnior.

A decisão foi tomada na reunião estatutária que precede o XIII Congresso do partido do ‘Galo Negro’, agora dirigido por Isaías Samakuva, que esteve à frente da UNITA durante 16 anos e regressou na sequência do afastamento de Adalberto da Costa Júnior por força do acórdão do Tribunal Constitucional que anulou o congresso de 2019, dando razão a uma queixa de um grupo de militantes que alegaram irregularidades, entre as quais o facto de o candidato vencedor ter concorrido sem renunciar à nacionalidade portuguesa – algo que Costa Júnior sempre negou.

Katchiungo disputou a corrida eleitoral à UNITA em 2019, sendo o menos votado entre os restantes candidatos (Adalberto Costa Júnior, Alcides Sakala, Abilio Kamalata Numa, Raul Danda), recolhendo apenas 10 votos.

Na terça-feira, a UNITA tinha já decidido suspender preventivamente outros sete militantes que recorreram ao Tribunal Constitucional (TC) para inviabilizar a data do congresso.

Em causa está uma iniciativa de um grupo de militantes que pediram a impugnação do congresso junto da direção do partido do ‘Galo Negro’ e acionaram uma providência cautelar junto do TC, alegando que a marcação do conclave foi feita num clima de “intimidação, o que a UNITA rejeitou.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.