Inteligência dos EUA encontra planos russos de ataque contra a Ucrânia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os serviços secretos norte-americanos determinaram que o planeamento russo para uma possível ofensiva militar contra a Ucrânia está em curso e pode acontecer no início de 2022, de acordo com um responsável da administração.

A nova descoberta dos serviços secretos estima que metade do pessoal russo já esteja destacado ao longo de vários pontos perto da fronteira da Ucrânia, de acordo com um funcionário da administração Biden que falou na condição de anonimato.

O funcionário acrescentou que os planos exigem o movimento de 100 grupos táticos de batalhão, juntamente com armadura, artilharia e equipamento.

Os funcionários dos serviços de informação também viram um avanço na utilização de meios de comunicação russos em operações de informação para denegrir a Ucrânia e a Nato antes de uma potencial invasão, disse o funcionário.

As conclusões dos serviços secretos foram relatadas pela primeira vez pelo The Washington Post.

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse na sexta-feira que está a preparar um “pacote de iniciativas” para proteger a Ucrânia de um eventual ataque russo.

Biden diz estar em “contacto permanente” com os aliados dos Estados Unidos e da Ucrânia, para a eventualidade de uma escalada de tensão militar nas fronteiras ucranianas.

“Estou a preparar o que será, acredito, um conjunto completo de iniciativas que dificultará muito as intenções de Putin”, explicou Biden, referindo-se aos eventuais planos bélicos do Presidente russo.

O Presidente norte-americano e o seu homólogo russo vão discutir nos próximos dias a situação nas fronteiras da Ucrânia, sete anos após a anexação da Crimeia pela Rússia e da ocupação do leste da ex-república soviética por forças separatistas pró-Moscovo.

As tensões começaram a crescer nas últimas semanas, perante o rumor de um novo ataque contra a Ucrânia pela Rússia, acusada de ter concentrado cerca de 94 mil soldados na fronteira.

Para apaziguar a situação, Moscovo pede “garantias de segurança” e, em particular, a garantia de que a NATO não continuará a expandir a sua zona de influência no leste da Europa, nomeadamente com a possibilidade de adesão da Ucrânia à Aliança Atlântica.

Kiev, contudo, recusa categoricamente abandonar o pedido de adesão à NATO — que foi formalizada em 2008 — pedindo aos aliados para rejeitarem as condições impostas por Moscovo para uma pacificação na região.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.