Comércio mundial tinha sinais fortes de recuperação antes da Omicron

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O comércio internacional estava direcionado para atingir 28 biliões de dólares (24,7 biliões de euros) em 2021, antes do surgimento da variante Omicron do novo coronavirus, assinalou terça-feira a agência da ONU para o comércio e desenvolvimento (UNCTAD).

Aquele valor seria sinal de uma importante recuperação frente aos níveis de 2020 e até um crescimento face aos de 2019, antes da pandemia se instalar.

No documento especificou-se que não se levou em consideração o aparecimento da nova variante do novo coronavirus, a Ómicron, o seu efeito na curva da pandemia e o seu potencial impacto na economia em plena época de consumo ligado às festividades do final de ano.

Prejudicadas assim as previsões, a UNCTAD sempre adiantou que, no terceiro trimestre, o comércio internacional cresceu 24% em relação ao mesmo período de 2020 e 13% em relação ao de 2019.

Mas este crescimento foi muito desigual, com diferenças acentuadas conforme países e setores, e com as mercadorias com mais pujança do que os serviços.

A perda de ritmo de crescimento na segunda parte do ano foi atribuída, por economistas considerados pela UNCTAD, em parte ao arrefecimento da economia chinesa, ao aumento do preço das matérias-primas e à pressão inflacionista.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.