VIH infeta uma criança a cada dois minutos no mundo – Unicef

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A cada dois minutos, uma criança é infetada com VIH no mundo, alertou hoje a Unicef, que avisa que a pandemia de covid-19 está a aprofundar as desigualdades que caracterizam a epidemia de sida.

Segundo um relatório divulgado hoje pelo Fundo das Nações Unidas para a infância (Unicef), pelo menos 310.000 crianças foram infetadas com o VIH em 2020, ou seja, uma em cada dois minutos.

Outras 120.000 crianças morreram de causas relacionadas com a sida durante o mesmo período, ou seja, uma em cada cinco minutos.

No relatório adverte-se que a pandemia de covid-19 está a aprofundar as desigualdades que conduziram à epidemia da sida, colocando crianças vulneráveis, adolescentes, mulheres grávidas e mães lactantes em risco acrescido de faltarem a serviços de prevenção e tratamento do VIH que salvam vidas.

“A epidemia do VIH entra na sua quinta década no meio de uma pandemia global que tem sobrecarregado os sistemas de saúde e restringido o acesso a serviços que salvam vidas. Entretanto, o aumento da pobreza, as questões de saúde mental e os abusos estão a aumentar o risco de infeção de crianças e mulheres”, disse a diretora executiva da Unicef, Henrietta Fore, citada num comunicado da organização.

A responsável alerta que se não se aumentarem os esforços para resolver as desigualdades por detrás da epidemia do VIH, agora exacerbadas pela covid-19, mais crianças serão infetadas pelo VIH e mais crianças perderão a sua luta contra a sida.

Segundo o relatório, duas em cada cinco crianças infetadas com o VIH em todo o mundo não sabem que o estão e pouco mais de metade está a receber tratamento antirretroviral (TARV).

No documento refere-se que muitos países registaram perturbações significativas nos serviços de VIH devido à covid-19 no início de 2020.

Os testes de despistagem do VIH em países de elevada carga diminuíram entre 50 e 70% e as indicações de tratamento para crianças com menos de 14 anos diminuíram entre 25 e 50%.

Os confinamentos contribuíram para o aumento das taxas de infeção devido a picos de violência baseada no género, acesso limitado a cuidados de acompanhamento e esgotamento de bens essenciais, acrescenta-se no relatório.

Em 2020, a África subsaariana foi responsável por 89% das novas infeções pediátricas por HIV e 88% das crianças e adolescentes que vivem com o vírus no mundo estão naquela região.

Cerca de 88% das mortes de crianças relacionadas com a sida ocorreram na África subsaariana, conclui-se ainda no relatório.

Além disso, 15,4 milhões de crianças perderam um ou ambos os pais devido a causas relacionadas com a sida no ano passado, três quartos das quais (11,5 milhões) vivem na África subsaariana.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.