Detetado em Espanha primeiro caso de infeção da variante Ómicron

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Hospital Gregorio Maranón de Madrid detetou hoje num viajante da África do Sul o primeiro caso em Espanha de coronavírus com a variante Ómicron, revelou a instituição hospitalar.

De acordo com a informação publicada na rede social Twitter pelo serviço de microbiologia do hospital, o viajante proveniente da África do Sul foi infetado com o novo coronavírus, encontrando-se bem.

“Foi hoje confirmado pela sequenciação. Conseguimos realizar um procedimento ultrarrápido que nos permite ter o resultado no mesmo dia. O doente está a passar bem”, assegura o hospital.

Segundo a Comunidade de Madrid, o viajante da África do Sul, com 51 anos de idade, regressou em 28 de novembro com sintomas ligeiros.

Um total de 33 casos da variante Ómicron do SARS-CoV-2, considerada de preocupação, tinham sido até ao início da tarde detetados na União Europeia e Espaço Económico Europeu (UE/EEE), segundo dados hoje divulgados pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), ainda sem o caso detetado em Espanha.

Numa atualização epidemiológica publicada ao início da tarde, que tem por base dados facultados ao ECDC pelos Estados-membros da UE/EEE até às 12:30 (hora de Bruxelas, menos uma em Portugal), um total de “33 casos confirmados da variante de preocupação Ómicron foram comunicados por oito países”.

Além de Portugal, a nova variante do coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19, foi detetada na Áustria, Bélgica, República Checa, Dinamarca, Alemanha, Itália e Holanda, adianta o ECDC, que cita “informações de fontes públicas”, como autoridades de saúde.

O centro europeu explica que “todos os casos confirmados têm um historial de viagens para países africanos, tendo alguns efetuado voos de ligação para outros destinos entre África e a Europa”.

A covid-19 provocou pelo menos 5.197.718 mortos mortes em todo o mundo, entre mais de 260,81 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, foi recentemente detetada na África do Sul e, segundo a Organização Mundial da Saúde, o “elevado número de mutações” pode implicar uma maior infecciosidade.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.