Putin demite diretor das prisões após divulgação de imagens de violações e tortura

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Presidente russo, Vladimir Putin, demitiu hoje o diretor da vasta rede prisional russa, poucas semanas depois de um escândalo causado pela divulgação de vídeos que mostram violações e torturas numa prisão.

Diretor desde 2019 do FSIN, os serviços prisionais russos, Alexander Kalashnikov foi demitido do cargo e substituído pelo vice-ministro do Interior, Arkadi Gostev, um ex-polícia, segundo um decreto presidencial publicado no ‘site’ do Kremlin.

Kalashnikov é uma das pessoas que foi sujeita, este ano, a sanções da União Europeia, dos Estados Unidos e do Canadá, devido ao seu alegado papel no envenenamento do opositor de Putin, Alexei Navalny.

A substituição acontece no meio de um escândalo de tortura na prisão de Saratov, no centro da Rússia, que já levou à demissão de 18 funcionários e cinco oficiais do FSIN no local.

No início de outubro, a organização humanitária Gulagu.net publicou vídeos de maus-tratos aos presos, que terão sido obtidos através de um ex-detido bielorrusso.

Segundo a organização, o ex-recluso teve acesso às gravações durante a sua detenção quando entrou num computador com o pretexto de o arranjar. O homem já pediu asilo em França.

As imagens mostram violações de presos e torturas sistemáticas infligidas a detidos e várias investigações foram abertas após a divulgação dos vídeos.

As autoridades russas ainda iniciaram um processo e emitiram um mandado de prisão para o denunciante, Sergei Savalev, mas este conseguiu fugir para França.

O sistema prisional russo é regularmente abalado por escândalos sobre a existência de tortura aplicada de forma quase institucionalizada por guardas ou outros detidos por ordem deles, em particular para obter confissões.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.