SADC avalia quinta-feira em Pretória intervenção militar em Cabo Delgado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) vai avaliar na quinta-feira, em Pretória, a missão de intervenção militar regional em Cabo Delgado, norte de Moçambique, anunciou hoje o Governo sul-africano.

“O encontro dá continuidade às discussões sobre o apoio da SADC à República de Moçambique, nos esforços de combate aos atos de terrorismo e extremismo violento na região norte da província de Cabo Delgado”, referiu em comunicado o Ministério das Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul.

Segundo a mesma nota, a chefe da diplomacia sul-africana, Naledi Pandor, na qualidade de presidente do comité ministerial do Órgão de Política, Defesa e Segurança da SADC, “irá acolher a reunião do comité ministerial extraordinário da SADC da Troika do Órgão mais os Países Contribuintes de Pessoal, e a República de Moçambique, em 25 de novembro de 2021, em Pretória”.

De acordo com o Governo sul-africano, a cimeira extraordinária da Troika do Órgão mais Moçambique, realizada em 5 de outubro, “prorrogou o mandato da Missão da África Austral em Moçambique (SAMIM) até 15 de janeiro de 2022”.

Nesse sentido, concluiu a nota, “os ministros irão, portanto, reunir-se para avaliar o progresso do destacamento da SAMIM em Cabo Delgado”.

A SAMIM chegou ao terreno em 09 de agosto para “combater atos de terrorismo e extremismo violento na região norte da província de Cabo Delgado” com um mandato inicial até ao fim a 15 de outubro de 2021.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada há quatro anos por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, de acordo com as autoridades moçambicanas.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a SADC permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.