OMS insiste na vacinação prioritária de grupos de risco

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Organização Mundial da Saúde (OMS) está a “rever a informação” sobre vacinação de crianças e adolescentes contra a covid-19, mas insiste na imunização prioritária dos grupos de maior risco.

O Guardião

“Os países devem considerar os benefícios individuais e populacionais de imunizar crianças e adolescentes, no quadro do seu contexto social e epidemiológico específico”, aconselha a OMS, declarando que “é menos urgente vacinar” os mais jovens do que imunizar as pessoas mais velhas, os doentes crónicos e os profissionais de saúde.

Na véspera de a Agência Europeia do Medicamento se pronunciar sobre a vacinação de crianças menores de doze anos contra a covid-19, a OMS admite — numa ‘posição intercalar’ divulgada hoje — que essa opção possa ser relevante para diminuir a transmissão da doença a adultos e reduzir a necessidade de adotar medidas de mitigação nas escolas.

Porém, frisa, “antes de considerar implementar a primeira dose em adolescentes e crianças, qualquer país deve ponderar priorizar a vacinação de grupos de risco, quer com uma primeira dose, quer com doses reforçadas”.

Além disso, é preciso ter em conta a atual “desigualdade global no acesso às vacinas”, lembra a OMS, no comunicado sobre “a necessidade e o momento de vacinar crianças e adolescentes com as atualmente disponíveis vacinas contra a covid-19”.

Os países com elevadas taxas de vacinação “devem dar prioridade à partilha global de vacinas contra a covid-19, através da aliança COVAX, antes de avançarem com a vacinação de crianças e adolescentes, com baixo risco de doença severa”, apela a OMS.

Dado o contexto de “constrangimentos no abastecimento” de vacinas, “o foco dos programas de imunização deve continuar a ser a proteção das populações com maior risco de hospitalização e morte”, aconselha.

“Os benefícios de vacinar crianças para reduzir o risco de doença grave e morte são muito menores do que os associados à vacinação de adultos”, adianta.

Neste contexto, os países com nenhumas ou poucas limitações no abastecimento de vacinas “devem considerar a equidade global quando tomarem decisões políticas sobre vacinar crianças e adolescentes”.

Salientando que “a maior pressão, em doença severa e morte, continua a fazer-se sobre os mais velhos e os que têm comorbilidades”, a OMS indica que, segundo os dados recolhidos até outubro, as crianças com menos de cinco anos representaram apenas 2% dos casos reportados globalmente e 0,1% (1.797) das mortes identificadas.

As crianças e jovens entre os 5 e os 14 anos representaram, no mesmo período, 7% dos casos reportados e os mesmos 0,1% (1.328) de mortes.

Já os adolescentes e jovens adultos entre os 15 e os 24 anos representaram, no mesmo período, 15% dos casos reportados e 0,4% (7.023) das mortes.

A OMS conclui que as mortes em pessoas abaixo dos 25 anos representam menos de 0,5% dos óbitos reportados em todo o mundo.

Além disso, as crianças e os adolescentes geralmente revelam “menos sintomas e sintomas menos graves” da infeção com SARS-CoV-2, quando comparados com os adultos, sendo menos provável que desenvolvam formas severas da doença. Isso leva a que estes grupos sejam “menos testados” e os casos possam “ficar por reportar”, reconhece.

A OMS sublinha a importância de as crianças continuarem a receber as vacinas recomendadas para outras doenças. “Os serviços de vacinação rotineira também foram negativamente impactados, em resultado da resposta à pandemia, exacerbando o ressurgimento potencial de doenças preveníveis com vacinas, como o sarampo, o tétano, a febre amarela”, alerta.

A OMS reconhece “vantagens em vacinar todos os grupos etários”, mas frisa que “o benefício direto para a saúde da vacinação de crianças e adolescentes é menor quando comparado com a vacinação de pessoas mais velhas”.

Mas há outros fatores a ter em conta, reconhece, estimando que “24 milhões de crianças estejam em risco de não voltar às escolas devido à pandemia” e que a vacinação de crianças e adolescentes pode assegurar a preservação da educação.

Apesar do “baixo risco” de contraírem forma severa da doença, as crianças e os adolescentes “têm sido afetados desproporcionadamente por medidas de controlo da covid-19”, vinca a OMS, especificando que o fecho das escolas é o maior exemplo, tendo aumentado a “angústia emocional e problemas de saúde mental” nesta população.

Além disso, fora da escola e em isolamento social, “as crianças são mais suscetíveis a maus-tratos e violência sexual, gravidez na adolescência e casamento infantil”, alerta, acrescentando ainda o impacto na alimentação (garantida pelas refeições escolares).

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.