Facebook passa a chamar-se Meta, mas aplicações não mudam de nome

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O diretor executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, revelou hoje que a empresa vai mudar de nome para Meta, numa tentativa de abranger a sua visão de realidade virtual para o futuro, a qual designa por “metaverso”.

As aplicações Facebook, Instagram, Messenger e WhatsApp não irão, no entanto, mudar de nome, assim como a estrutura corporativa da empresa também não irá sofrer alterações, mas as suas ações passarão a ser negociadas sob a designação “MVRS” em 01 de dezembro.

Os críticos apontam, no entanto, que a mudança parece ser uma tentativa de desviar as atenções dos ‘Facebook Papers’, um conjunto de documentos confidenciais que foram expostos e divulgados por um consórcio de órgãos noticiosos, incluindo a Associated Press (AP).

Muitos desses documentos, mencionados pela primeira vez por Frances Haugen, uma ex-funcionária do Facebook que se tornou denunciante, revelam como a empresa fundada por Mark Zuckerberg ignorou ou subestimou avisos internos sobre as consequências negativas e prejudiciais causadas pelos algoritmos da rede social em todo o mundo.

Zuckerberg diz esperar que o “metaverso” alcance mil milhões de pessoas durante a próxima década e que será um lugar onde as pessoas poderão interagir, trabalhar e criar produtos ou conteúdos no que espera ser um ecossistema que irá criar milhões de empregos para criativos.

O diretor executivo justificou a mudança de nome afirmando que “Facebook” não abrange tudo o que faz a empresa que inclui, além da rede social principal, o Instagram, o Messenger, a Quest VR e a plataforma Horizon VR, entre outras.

“Hoje somos vistos como uma rede social, mas no nosso ADN somos uma empresa que desenvolve tecnologia para conectar pessoas”, justificou Zuckerberg.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.