Cidade italiana gera polémica ao conceder título de cidadão honorário a Bolsonaro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A pequena cidade italiana de Anguillara Veneta gerou polémica ao anunciar que irá conceder cidadania honorária ao Presidente brasileiro, numa homenagem duramente criticada devido à gestão negacionista de Jair Bolsonaro face à pandemia de covid-19.

“A decisão foi aprovada” pela câmara municipal, confirmou Alessandra Buoso, autarca da localidade italiana de 4.000 habitantes e membro de A Liga, partido da extrema-direita de Itália liderado por Matteo Salvini, citada pela agência France-Presse.

A decisão foi imediatamente criticada, num momento em que Jair Bolsonaro acaba de ser acusado por uma comissão parlamentar de inquérito do Senado brasileiro de ter “deliberadamente exposto” os brasileiros à “contaminação em massa” pelo seu negacionismo em relação à gravidade da pandemia de covid-19.

“Bolsonaro liderou uma política anti-covid-19 baseada no negacionismo e contra a vacina, que levou a milhares de mortes”, denunciou Arturo Lorenzoni, porta-voz da oposição no Conselho Regional de Veneto, uma região governada pel’A Liga.

Questionada por telefone pela agência noticiosa, a autarca de Anguillara Veneta tentou defender a sua decisão, explicando que “a cidadania honorária foi concedida às pessoas que ele [Bolsonaro] representa e não a ele como pessoa”.

“A cidadania honorária visa recompensar o acolhimento que os migrantes de Anguillara Veneta têm recebido no Brasil”, argumentou a autarca.

Oprimidos pela pobreza, cerca de mil habitantes desta comuna italiana emigraram para o Brasil no final do século XIX, entre eles os antepassados do Presidente brasileiro, que deixaram aquela região de Itália em 1888.

De acordo com o relatório final da comissão parlamentar de inquérito do Senado brasileiro, apresentado na semana passada e que deverá ser hoje votado, Bolsonaro foi “o principal responsável pelos erros do Governo durante a pandemia” que matou mais de 600 mil pessoas no país lusófono.

Entre “crimes contra a humanidade”, pelos quais Bolsonaro pode ser julgado no Tribunal Penal Internacional de Haia, o relator da investigação, senador Renan Calheiros, totalizou nove crimes contra o chefe de Estado, que vão de “charlatanismo” a “incitação ao crime”, passando por “infração a medidas sanitárias preventivas” e “prevaricação”.

Jair Bolsonaro é esperado em Itália para a cimeira do G20 que será realizada no fim de semana em Roma. O chefe de Estado poderá assim deslocar-se posteriormente à terra dos seus ancestrais, numa visita que ainda não está confirmada até ao momento.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.