Noruega apoia adesão de Angola à iniciativa para a Transparência das Indústrias Extrativas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Noruega “tem promovido” a adesão de Angola à iniciativa para a Transparência das Indústrias Extrativas, plataforma que deve concorrer para melhor gestão na exploração dos recursos naturais angolanos, anunciou hoje fonte diplomática do país europeu.

Segundo o embaixador da Noruega em Angola, Kikkan Haugen, a plataforma, no âmbito das melhores práticas empresariais, vai “congregar o Governo angolano, setor privado e a sociedade civil para promover e apoiar uma melhor governança na exploração dos recursos”.

“Ficamos satisfeitos em ver os passos que têm sido dados para a adesão de Angola a este padrão internacional, que confirma o compromisso das autoridades angolanas com o aumento da transparência”, afirmou hoje o diplomata europeu.

Kikkan Haugen falava hoje, em Luanda, na abertura de um “Fórum sobre Empresas e Direitos Humanos Angola-Noruega” promovido pelo Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos (MJDH) e a missão diplomática que representa em Angola.

A secretária de Estado para os Direitos Humanos e Cidadania de Angola, Ana Celeste Januário, deu conta, na ocasião, que o país está em processo de adesão à iniciativa de Transparência nas Indústrias Extrativas e que uma comissão nacional de coordenação foi já criada.

Angola e Noruega “têm uma longa história de cooperação nas mais diversas áreas e domínios e os direitos humanos representam uma das áreas mais importantes da cooperação”, frisou o embaixador da Noruega em Angola.

Diálogo, formação e partilha de experiências constituem os eixos da cooperação, iniciada em 2013, entre Angola e Noruega no capítulo dos direitos humanos, pelo que o fórum, referiu Kikkan Haugen, se enquadra no âmbito da partilha de experiências.

“Acreditamos que atividades como esta representam uma situação de “win-win”, isto é, uma situação em que todos ganham. Porque as empresas norueguesas promovendo estes princípios, proteção dos direitos humanos e transparência, estão a contribuir para a promoção de valores e práticas que estão no topo das prioridades do Governo angolano”, apontou.

Empresas angolanas, norueguesas, diplomatas, técnicos do MJDH e outros participam neste fórum que decorre na capital angolana.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.