Cooperativas diamantíferas lamentam falta de incentivos fiscais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Cooperativas diamantíferas angolanas apontaram hoje a “falta de incentivos fiscais”, a evasão de garimpeiros, dificuldades de acesso e minas em zonas de exploração como alguns dos obstáculos da atividade no interior do país.

As inquietações dos operadores do subsetor de diamantes em Angola foram apresentadas durante o segundo encontro sobre a atividade semi-industrial de diamantes em Angola, que decorre em Luanda, tendo sido indicados, no entanto, alguns avanços.

Segundo Georgina Nunda, representante das cooperativas do Bié, a paralisação de algumas cooperativas naquela província do centro e sul de Angola, que não prorrogaram suas licenças, deveu-se a dificuldades que constituem preocupações dos associados.

“Eles [os filiados] alegam falta de investidores, dificuldades das vias de acesso e que também existem cooperativas com minas e isso tudo ainda são obstáculos para executar aquilo que se pretende”, disse a responsável em declarações à margem do encontro.

Em relação às recomendações deixadas no primeiro encontro, a também administradora da cooperativa Tchitembo Tchalaza sublinhou que “foram registados avanços de 70%, particularmente na comercialização e ajuda para tentar mitigar a evasão de garimpeiros”.

Félix Costa, representante das cooperativas do Cuanza Sul, lamentou, por sua vez, a “falta de incentivos fiscais”, considerando que operam com dificuldades de ordem financeira e outras causadas pela atual crise pandémica.

“Uma das maiores preocupações que trazemos para este encontro é a falta de incentivos fiscais, temos tido poucos incentivos fiscais, estamos a trabalhar a braços com dificuldades financeiras, dificuldades de ordem pandémica”, relatou.

Apesar das dificuldades, o também administrador da cooperativa Cuanza Mucango assegurou muito trabalho para poder levar as cooperativas “para semi-industriais”.

O “crescimento dos níveis de produção”, embora abalados pela covid-19, que tem criado uma série de embaraços, foi apontado pelo empresário como fator positivo a nível do setor.

O encontro, que decorre em Luanda, é promovido pelo Ministério dos Recursos Mineiras, Petróleo e Gás de Angola, tendo o ministro Diamantino Pedro de Azevedo procedido ao discurso de abertura.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.