Procuradoria ruandesa recorre de sentença de 25 anos para gerente que inspirou “Hotel Ruanda”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A procuradoria ruandesa anunciou hoje que recorreu da sentença de 25 anos de prisão contra o antigo gerente hoteleiro Paul Rusesabagina, que inspirou o filme “Hotel Ruanda” e que se tornou num crítico feroz do Presidente do país, Paul Kagamé.

A acusação, que pediu prisão perpétua, recorreu de todas as decisões anunciadas em 20 de setembro contra os 21 arguidos, disse o porta-voz da acusação, Faustin Nkusi, à agência France-Presse (AFP).

Rusesabagina, o antigo gerente que inspirou o filme “Hotel Ruanda” sobre o genocídio de 1994 no país, foi condenado pela justiça ruandesa em setembro a 25 anos de prisão por terrorismo após um julgamento que durou sete meses e cuja imparcialidade foi questionada pela sua família e por organizações de direitos humanos.

A Câmara do Supremo Tribunal para Crimes Internacionais e Transfronteiriços, em Kigali, declarou Rusesabagina, 67 anos, culpado de vários delitos relacionados com o terrorismo por liderar a Frente de Libertação Nacional (FLN), a ala armada do seu partido, o Movimento Ruandês para a Mudança Democrática.

Em setembro do ano passado, o antigo gestor admitiu em tribunal ser o fundador da FLN, mas negou o envolvimento nos seus crimes, que incluem ataques que mataram pelo menos nove pessoas entre 2018 e 2019.

Das nove acusações, o tribunal considerou-o culpado de oito, incluindo a pertença a um grupo terrorista e o financiamento do terrorismo.

Rusesabagina, que deixou de comparecer em tribunal em março com o fundamento de que não iria ter um julgamento justo, foi condenado num processo conjunto com 20 membros da FLN.

Aquando do veredito, o procurador principal, Aimable Havugiyaremye, expressou a insatisfação da acusação, dizendo que “todos os arguidos receberam penas inferiores às requisitadas”.

O antigo gerente foi detido em 31 de agosto no aeroporto internacional de Kigali, numa detenção que a sua família e advogados descrevem como um “rapto”.

Organizações como a Amnistia Internacional (AI) e a Human Rights Watch (HRW) apontaram numerosas violações dos direitos do arguido ao longo do processo, “incluindo a detenção de Rusesabagina sob falsos pretextos e a transferência ilegal para o Ruanda”, de acordo com a diretora regional adjunta da AI para a África Oriental, Sarah Jackson.

Rusesabagina foi gerente do famoso Hotel Thousand Hills, na capital ruandesa, e alojou mais de 1.000 tutsis e hutus moderados para os salvar dos hutus extremistas durante o genocídio de 1994.

O antigo gerente tinha-se tornado um adversário altamente crítico do regime de Paul Kagamé, pelo que viveu no exílio entre a Bélgica – cuja nacionalidade detém – e os Estados Unidos, onde criou uma fundação que promove a reconciliação para evitar novos genocídios.

No Ruanda, porém, foi criticado por sobreviventes que o acusaram de explorar o genocídio em proveito pessoal.

O genocídio começou em 07 de abril de 1994, após o assassínio, no dia anterior, dos presidentes do Ruanda, Juvénal Habyarimana (hutu), e do Burundi, Cyprien Ntaryamira (hutu), quando o avião em que viajavam foi abatido sobre Kigali.

Os assassínios, pelos quais o Governo ruandês culpou os rebeldes tutsi da Frente Patriótica Ruandesa, de Kagamé, desencadearam o massacre de cerca de 800.000 tutsis e hutus moderados em cerca de 100 dias, um dos piores assassínios étnicos da história recente.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.