Detetada pela primeira vez lepra em chimpanzés selvagens da Guiné-Bissau e Costa do Marfim – estudo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Um estudo divulgado na revista Nature revela que pela primeira vez foi detetada lepra em chimpanzés selvagens da Guiné-Bissau e da Costa do Marfim.

Segundo o estudo, os casos foram detetados em duas diferentes populações de chimpanzés da África Ocidental, nomeadamente na Guiné-Bissau e Costa do Marfim.

O estudo, divulgado na revista científica Nature, mostra que as estirpes de lepra são diferentes e “ambas incomuns entre os humanos”.

A equipa que realizou o estudo, liderada pela Universidade de Exeter e pelo Instituto Robert Kock, refere que as descobertas mostram que a lepra poderá estar a circular em “mais animais selvagens” do que se suspeitava e que as origens da infeção não são claras, podendo ter acontecido em resultado da exposição a humanos ou outras fontes ambientais desconhecidas. Os investigadores confirmaram casos da doença entre duas populações de chimpanzés não ligadas na África Ocidental, na Guiné-Bissau e na Costa do Marfim.

Já era conhecida a transferência da lepra por humanos, principal hospedeiro da bactéria que dá origem à doença, para outros mamíferos, nomeadamente tatus e esquilos vermelhos.

“Esta é a primeira confirmação da lepra em animais em África”, disse o principal autor do estudo, Kimberley Hockings, do Centro de Ecologia e Conservação da Universidade de Exeter, citado em comunicado divulgado por aquele estabelecimento de ensino universitário.

Para o cientista, é “incrível que também esteja no nosso parente vivo mais próximo, o chimpanzé”, tendo em conta que é um dos animais mais estudados.

“Notamos pela primeira vez possíveis sintomas de lepra numa população de chimpanzés na Guiné-Bissau. Os sintomas pareciam muito semelhantes aos sofridos pelos humanos com lepra avançada”, salientou o cientista.

Kimberley Hockings explicou que depois de detetados os casos na Guiné-Bissau entrou em contacto com o professor Fabian Leendertz do Instituto Robert Koch para os “confirmar geneticamente”, que em conjunto com Roman Wittig, do Instituto Max-Panck de Antropologia Evolutiva, identificaram também outros casos na Costa do Marfim, onde realizam trabalho de campo.

Os casos foram confirmados com base numa autópsia a uma fêmea e em amostras fecais de um macho.

O estudo salienta que já tinha sido detetada lepra em chimpanzés em cativeiro.

Segundo Kimberley Hockings, na Guiné-Bissau é “possível que os chimpanzés tenham de alguma forma adquirido a lepra dos humanos”, porque partilham o espaço, apesar de as pessoas não os matarem ou comerem.

O professor Fabian Leendertz referiu que na Costa do Marfim os chimpanzés estão mais distantes dos humanos e que será mais provável que tenham adquirido a infeção de “outra espécie animal ou de uma fonte ambiental”.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.