Agências humanitárias só recebem metade do que pedem

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

As agências humanitárias que estão a ajudar população afetada por ataques armados no norte de Moçambique receberam cerca de metade do valor que pediram para acudir às necessidades, anunciou hoje o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

“Dos 254 milhões de dólares (218 milhões de euros) requisitados, apenas 55% foi recebido, criando uma lacuna de 114 milhões de dólares (98 milhões de euros)”, lê-se num comunicado a propósito do Dia Mundial da Alimentação, celebrado no sábado.

A situação tem obrigado outras agências, como o Programa Alimentar Mundial (PAM) a cortar na ajuda alimentar distribuída por forma a ter quantidades em armazém para mais tempo.

“A insegurança alimentar continua a assolar pessoas em todo o mundo, incluindo milhões, somente em Moçambique”, numa situação agravada por “conflitos, choques económicos e climáticos, capacidades limitadas dos países em desenvolvimento e a pandemia de covid-19”.

Para o ACNUR, “é necessária uma ação urgente para garantir que as necessidades básicas de alimentação e nutrição das pessoas forçadas a fugir sejam atendidas”.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, segundo as autoridades moçambicanas.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.

Além dos deslocados provocados pela situação no norte, Moçambique tem 28.597 refugiados e requerentes de asilo, com 9.500 no assentamento de Maratane, em Nampula. 

O governo moçambicano tem dado um “apoio fundamental”, diz o ACNUR.

Além de outras ajudas, as autoridades disponibilizaram em 2019 um total de 2.000 hectares “para a prática de atividades [agrícolas e de pecuária] de subsistência em Maratane”, referiu Samuel Chakwera, representante do ACNUR em Moçambique.

O ACNUR considera que inserir deslocados “em atividades de agricultura e pecuária é uma das formas mais sustentáveis de fazer com que as mesmas alcancem a autossuficiência”.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.