Conferência dos Grandes Lagos mostra-se “bastante” satisfeita com decisão de cessar-fogo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL) manifestou “bastante satisfação” pela decisão unilateral de cessar-fogo em toda a República Centro-Africana (RCA) a partir de sexta-feira última, anunciada pelo Presidente do país, Faustin Archange Touadéra.

A “CIRGL saúda o povo centro-africano”, considerando que a decisão de cessar-fogo constitui “o reconhecimento de que o diálogo aberto e construtivo entre todos as forças vivas é a melhor via para o alcance da paz e estabilidade tão ansiada pelo povo centro-africano”, lê-se num comunicado assinado presidente em exercício da CIRGL, o chefe de Estado de Angola, João Lourenço, com data de sábado.

A Conferência “congratula-se” também com os “avanços registados” e “exorta” todos os intervenientes políticos e militares a “cumprirem com o cessar-fogo” e os “princípios do Acordo Político para Paz e Reconciliação na República Centro Africana (APPR-RCA)”, negociado em Cartum e assinado a 06 de fevereiro de 2019, em Bangui, “como referência na busca de uma solução duradoura à crise centro-africana”, acrescenta na mesma nota.

A CIGRL felicita ainda o chefe de Estado da República Centro-Africana, Faustin Archange Touadéra, pela “maneira firme e determinada” com que tem procurado atender às recomendações da III mini-cimeira da CIRGL, realizada em Luanda, em 16 de setembro último.

Nesta mini-cimeira, os chefes de Estado e de Governo da Conferência já tinham apelado para uma declaração de cessar-fogo, por parte da República Centro-Africana, “o mais urgente possível”, tendo em conta o compromisso assumido pelos líderes dos grupos armados, e por ser um fator imprescindível para o sucesso de todo o processo e a criação de um clima propício à paz e à reconciliação nacional.

No comunicado, o presidente em exercício da Conferência reitera o cessar-fogo “como um fator indispensável para o sucesso de todo o processo” e a criação de um clima propício à paz e reconciliação nacional, assim como para a aplicação do Roteiro Conjunto para a Paz na República Centro-Africana aprovado no encontro de 16 de setembro último, incluindo o Programa de Desmobilização, Desarmamento, Reintegração e Repatriamento (DDRR).

Na mesma nota, João Lourenço apela ainda à comunidade internacional, em especial ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, para que renove a sua confiança no processo político em curso na RCA e para que dê “todo o apoio necessário para a salvaguarda da segurança e a promoção do bem-estar” desta república africana.

Além de Angola e da RCA, são membros da CIRGL, Burundi, República Democrática do Congo, Sudão, Sudão do Sul, Tanzânia, Ruanda, Uganda, Zâmbia, Quénia e República do Congo,

Este ano, Luanda já acolheu duas mini-cimeiras de Chefes de Estado e de Governo com o objetivo de contribuir para a pacificação e estabilidade na RCA.

Segundo país mais pobre do mundo segundo as Nações Unidas, a RCA é palco de conflitos há vários anos, incluindo uma guerra civil iniciada em 2013, mas que diminuiu de intensidade desde 2018.

A RCA caiu no caos e na violência em 2013, após o derrube do então presidente, François Bozizé, por grupos armados juntos na Séléka, o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas na anti-Balaka.

Desde então, o território centro-africano tem sido palco de confrontos comunitários entre estes grupos, que obrigaram quase um quarto dos 4,7 milhões de habitantes da RCA a abandonarem as suas casas.

Os restantes 58 militares portugueses participavam numa missão de treino, promovida pela União Europeia, que terminava em setembro passado.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.