Chefe de Estado-Maior da Guiné-Bissau denuncia mobilização de militares para golpe de Estado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau, general Biagué Na N’Tan, denunciou hoje tentativas de mobilizar militares com dez mil francos cfa (cerca de 15 euros) para reverter a ordem constitucional.

O Guardião

“Quero pedir-vos, vocês da Polícia Militar, para não alinharem com as pessoas que estão a mobilizar militares nos quartéis, porque nada se esconde hoje”, afirmou o general.

Segundo o general, os jovens mobilizados denunciam a situação aos superiores, porque “sabem que querem estragar o seu futuro”.

“Os dez mil francos cfa que estão a distribuir para abertura de conta bancária não resolvem os vossos problemas e os da vossa família”, advertiu o chefe das forças armadas guineenses.

Biagué Na N’Tan falava na cerimónia para assinalar o dia da Polícia Militar (PM) da Guiné-Bissau. O batalhão da Polícia Militar guineense é constituído por dezenas de efetivos e responde diretamente à divisão de operações e treino do Estado-Maior General das Forças Armadas.

 Na ocasião, o chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas apelou aos militares para não alinharem com as pessoas que querem desestabilizar a Guiné-Bissau, exortando-os a que ajudem na edificação da paz no país.

 “Quero garantir-vos que as forças armadas desistiram da política e vocês também não devem envolver-se na política. Desistam da política, camaradas. Conheço todos os militares que estão a tentar mobilizar-vos, mas quero pedir-lhes para pararem, porque quem sai prejudicado somos nós, os militares”, afirmou.

Segundo o general guineense, os militares envolvidos naquelas situações são detidos e ficam sem salário, “a mendigar”, e os políticos “ficam à vontade”.

“As forças armadas estão a caminhar progressivamente, mas temos de acompanhar essa dinâmica com paz e estabilidade, porque sem paz não podemos fazer nada e nem podemos pensar que haverá investimentos do setor privado no nosso país”, disse.

A Guiné-Bissau já foi alvo de vários golpes de Estado, tendo o último ocorrido em 2012 e militares guineenses estão desde então sob sanções das Nações Unidas.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.