Georgieva luta para permanecer à frente do FMI

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, luta para permanecer no cargo, enquanto o Conselho Executivo da instituição analisa evidências de que ela manipulou dados em favor da China quando ocupou um cargo de alto nível no Banco Mundial.

Na sexta-feira, o Conselho disse que decidirá “muito em breve” se mantém Georgieva no cargo.

O Conselho informou que fez um “progresso significativo” na sua avaliação do caso, mas concordou em “solicitar esclarecimentos adicionais com vistas a concluir sua consideração sobre o assunto em breve”.

O escritório de advocacia WilmerHale denunciou que, durante o mandato de Georgieva como diretora executiva do Banco Mundial, ela foi uma das principais autoridades que pressionou a equipa a alterar dados em benefício da China na edição de 2018 do seu relatório Doing Business.

Georgieva, de 68 anos, tem o apoio da França e de outros países europeus, segundo a fonte anônima.

No entanto, os Estados Unidos, membro-chave do FMI, ainda não se manifestaram, de acordo com duas fontes com conhecimento da situação.

O tempo pressiona por um pronunciamento, porque na segunda-feira o FMI e o Banco Mundial começam suas reuniões do outono boreal.

“Uma investigação está em andamento com o conselho do FMI e o Tesouro pediu um relatório completo e justo de todos os fatos”, explicou à AFP Alexandra LaManna, porta-voz do Departamento do Tesouro americano.

“Nossa principal responsabilidade é preservar a integridade das instituições financeiras internacionais”, acrescentou.

Georgieva, de nacionalidade búlgara e economista de formação, falou com o Conselho do FMI na quarta-feira.

Ela nega as conclusões do relatório. Na quinta-feira, enviou seu depoimento de 12 páginas aos 24 membros do conselho, bem como uma carta de seu advogado.

“Estou satisfeita por finalmente ter tido a oportunidade de explicar ao Conselho do FMI meu papel no relatório Doing Business e como respeitei a integridade do relatório”, disse. “Espero uma resolução rápida da questão”, acrescentou.

O escritório de advocacia denunciou que Georgieva, junto com seu sócio Simeon Djankov, ex-ministro das Finanças búlgaro que criou o relatório, e Jim Yong Kim, então presidente do banco, pressionaram a equipa a mudar o cálculo da classificação da China para evitar conflitos com Pequim.

A iniciativa se deu enquanto a liderança do banco estava envolvida em negociações delicadas com a China para aumentar o capital de empréstimo do banco.

De acordo com a investigação, Pequim reclamou do seu 78º lugar na lista de 2017, e o relatório do ano seguinte teria apresentado uma queda ainda maior.

Nas semanas anteriores ao lançamento do relatório, no final de outubro de 2017, Kim e Georgieva pediram à equipa para explorar a possibilidade de atualizar a metodologia em relação à China, de acordo com uma investigação da WilmerHale.

Após as acusações, o Banco Mundial rejeitou o relatório, que avalia as nações com base em seu clima de investimento, enquanto Georgieva classificou as conclusões da investigação como “erradas” e disse que “não pressionou ninguém a alterar qualquer relatório”.

Georgieva iniciou sua liderança no FMI em 1º de outubro de 2019, substituindo Christine Lagarde, nomeada presidente do Banco Central Europeu.

AFP

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.