Cimeira avalia hoje missão militar conjunta da SADC

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Governo moçambicano e a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) vão avaliar hoje numa cimeira em Pretória, África do Sul, a missão militar conjunta de combate à insurgência em Cabo Delgado, anunciou a presidência em Maputo.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, participa na cimeira extraordinária do Órgão da Troika da SADC, alargada a Moçambique e países contribuintes com efetivos na missão em Moçambique (SAMIM, na sigla em inglês).

A cimeira “irá apreciar o relatório de progresso das operações da SAMIM desde o seu desdobramento em julho de 2021 e deliberar sobre ações futuras, no quadro dos esforços em curso visando o combate ao terrorismo na província de Cabo Delgado”, lê-se em comunicado da presidência.

A Troika do Órgão de Cooperação nas áreas de Política, Defesa e segurança da SADC é presidida pela África do Sul e tem como vice-presidentes a Namíbia e o Botsuana.

Nyusi será acompanhado pelo ministro do Interior, Amade Miquidade, e pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Manuel Gonçalves.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a SADC permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas de Cabo Delgado onde havia rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.

A SAMIM anunciou estar totalmente operacional desde 03 de setembro.

Juntando forças de diferentes países, a missão serve um mandato de seis pontos centrado em apoiar o Estado moçambicano a tornar segura a província de Cabo Delgado e dar apoio aéreo, marítimo, logístico e de treino militar, recorda-se no comunicado.

O mandato inclui ainda o apoio às operações humanitárias.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, segundo as autoridades moçambicanas.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.