Cerca de 14% dos corais do mundo desapareceram entre 2009 e 2018 – relatório

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Um relatório divulgado hoje pela Global Coral Reefs Monitoring Network (GCRMN) denuncia que cerca de 14% dos recifes de coral do mundo desapareceram entre 2009 e 2018, devido às alterações climáticas, sobrepesca ou poluição.

O relatório Estado dos Recifes de Coral do Mundo em 2020 “fornece o quadro científico mais preciso até à data dos danos que o aumento da temperatura está a causar aos recifes de coral em todo o mundo”, frisou, em comunicado, a organização, que utilizou dados recolhidos em 12.000 locais em 73 países.

“Os recifes de coral em todo o mundo estão sob tensão contínua devido ao aquecimento relacionado com as alterações climáticas e outras pressões locais, tais como a pesca excessiva, o desenvolvimento costeiro insustentável e o declínio da qualidade da água”, detalhou a GCRMN.

“Entre 2009 e 2018, o mundo perdeu quase 14% dos corais nos seus recifes de coral, representando quase 11.700 quilómetros quadrados de coral, uma quantidade superior a todos os corais vivos na Austrália”, indicou.

“Embora os recifes cubram menos de 1% do fundo do oceano, são o lar de pelo menos um quarto de toda a vida marinha, além de serem um habitat crucial e fonte de proteínas e medicamentos”, acrescentou a organização.

Segundo a organização, pelo menos mil milhões de pessoas em todo o mundo “dependem deles para a alimentação e proteção contra tempestades e erosão”.

O estudo de dez regiões de coral em todo o mundo mostrou que “os eventos de branqueamento dos corais devido ao aumento da temperatura da superfície do mar foram o principal fator de perda de coral”.

“As alterações climáticas são a maior ameaça para os recifes do mundo, e todos devemos fazer a nossa parte limitando o mais rapidamente possível as emissões globais de gases com efeito de estufa”, disse Paul Hardisty, diretor geral do Instituto Australiano de Ciências Marinhas (AIMS), citado na declaração, a cerca de um mês antes da crucial conferência climática COP26.

“Muitos recifes de coral em todo o mundo permanecem resistentes e podem recuperar se as condições o permitirem”, disse, sublinhando: “o que dá esperança para a saúde a longo prazo dos recifes de coral se forem tomadas medidas imediatas.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.