Estudo mostra que ‘smartphone’ pode ser usado como alternativa ao estetoscópio

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) concluíram que o ‘smartphone’ pode ser usado como alternativa ao estetoscópio tradicional, ao ser capaz de gravar os sons pulmonares com qualidade e de capturar os sons anormais.

Em comunicado, a FMUP revela hoje que o estudo, também desenvolvido por investigadores do CINTESIS — Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, “testou com sucesso a eficácia da utilização dos microfones incorporados nos ‘smartphones’ para a auscultação pulmonar de doentes”.

A investigação, publicada na revista científica Sensors, mostrou que o ‘smartphone’ pode ser usado como alternativa ao estetoscópio tradicional, uma vez que é “capaz de gravar os sons pulmonares com qualidade e de capturar os sons anormais”, designados ruídos adventícios.

No estudo participaram mais de 130 doentes, maioritariamente com patologias respiratórias, seguidos num hospital português.

Numa primeira fase da investigação, os médicos realizaram a auscultação pulmonar com estetoscópios tradicionais em quatro locais e documentaram os sons adventícios registados, tendo, de seguida, feito a auscultação com recurso a um ‘smartphone’, que foi gravada duas vezes nos mesmos quatro locais.

“A utilização do ‘smartphone’ para a auscultação pulmonar poderá contribuir para detetar precocemente os períodos em que o estado do doente se agrava”, afirma a FMUP, acrescentando que tal permitirá implementar “intervenções oportunas”.

Numa época em que o número de consultas realizadas à distância tem aumentado, esta solução é, segundo os autores do estudo, “muito interessante para a implementação dos serviços de telemedicina na monitorização de doenças respiratórias”, como a asma e fibrose quística.

Nesse sentido, os investigadores desenvolveram uma aplicação, intitulada AIRDOC, para apoiar a monitorização remota dos sons pulmonares nos doentes com doenças respiratórias crónica.

Citada no comunicado, Inês Azevedo, pediatra e professora na FMUP, afirma que a auscultação pulmonar “é essencial na monitorização deste tipo de patologias”.

“Acreditamos que pode ser uma tecnologia promissora, tanto para o contexto clínico como para a futura implementação da telemedicina e das consultas remotas, e até mesmo para melhorar a monitorização realizada pelos próprios doentes”, afirma a coordenadora do estudo.

Também citada no comunicado, Cristina Jácome, investigadora da FMUP e do CINTESIS, explica que esta consiste no registo dos “sons pulmonares com um ‘smartdevice’ que depois podem ser classificados por clínicos ou analisados automaticamente com base nas características especificas do sinal”.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.