Angola regista pelo segundo dia consecutivo recorde com 829 casos em 24 horas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Angola registou 829 casos positivos de covid-19, o número mais alto diário desde o início da pandemia no país, 19 óbitos e 129 recuperações, informaram esta sexta-feira as autoridades sanitárias.

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção Nacional de Saúde Pública, os casos foram confirmados nas províncias de Luanda (648), do Cuanza Sul (59), Cabinda (29), Benguela (24), Huambo (24), Uíje (11), Cuanza Norte (nove), Malanje (seis), Namibe (seis), Huíla (cinco), Zaire (quatro), Cuando Cubango (três) e Bié (um), com idades entre 3 meses e 90 anos, sendo 447 do sexo masculino e 382 do sexo feminino.

Relativamente aos óbitos, 12 homens e sete mulheres, entre 34 e 84 anos, foram reportados em Luanda (12), Benguela, Malanje (dois cada), Bengo, Huambo e Namibe (um cada).

No que se refere às recuperações da doença, em pacientes entre 1 e 77 anos, foram notificadas em Luanda (57), Benguela (22), Huíla (15), Cabinda (14), Namibe (10), Cuando Cubango (sete), Cuanza Norte (dois) e Huambo (dois).

Com os dados das últimas 24 horas, o país atingiu o cumulativo de 58.076 casos positivos, 1.567 óbitos, 48.079 recuperados da doença e 8.430 ativos, dos quais 28 em estado crítico, 41 graves, 190 moderados, 55 leves e 8.116 assintomáticos.

Estão internados 314 doentes, 118 pessoas em quarentena institucional e 4.167 contactos sob vigilância epidemiológica.

Os laboratórios processaram 5.219 amostras por RT-PCR, com uma taxa diária de positividade de 15,9%, apontando o cumulativo para 1.010.092 amostras processadas até à presente data, com uma taxa de positividade de 5,7%.

A covid-19 provocou pelo menos 4.780.108 mortes em todo o mundo, entre 233,72 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.