Alterações climáticas agravam conflitos em zonas vulneráveis como Sahel ou Corno de África

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

As alterações climáticas estão a agravar conflitos existentes nas zonas mais vulneráveis do mundo, particularmente nos países do Sahel e do Corno de África, advertiram hoje oradores no debate do Conselho de Segurança da ONU sobre “clima e segurança”.

Dos 20 países mais afetados pelo conflito armado, 12 estão também entre os mais vulneráveis aos efeitos das alterações climáticas, tais como secas persistentes ou chuvas torrenciais que têm o efeito imediato de causar deslocações maciças de populações, especialmente em torno do Lago Chade e na Somália.

A seca, por exemplo, causa tensões recorrentes em África entre agricultores e pastores sobre a utilização de terras férteis, e estas tensões são oportunisticamente exploradas por grupos extremistas armados, exacerbando o ciclo de violência.

Oitenta por cento dos ‘capacetes azuis’ da Organização das Nações Unidas (ONU) colocados em todo o mundo encontram-se em países altamente vulneráveis aos efeitos climáticos, como salientado pelo presidente do Conselho de Segurança, o primeiro-ministro irlandês, Micheál Martin, que apelou a que as missões de manutenção da paz incluíssem as questões climáticas no seu mandato devido ao seu impacto óbvio na segurança das populações afetadas.

Mas estes efeitos não são exclusivos da região africana, pois aparecem também em zonas como o Iraque, o Delta do Mekong e pequenos Estados insulares, estes últimos ameaçados de desaparecimento a médio prazo se, em resultado do derretimento polar, o nível do mar subir e engolir grandes partes das suas costas.

Embora sejam os países mais pobres que mais sofrem as consequências das alterações climáticas, o secretário de Estado norte-americano, Anthony Blinken, salientou que se trata de um problema global e deu o exemplo do recente furacão Ida, que atingiu a cidade de Nova Iorque e Nova Jersey com uma força sem precedentes, matando cerca de 50 pessoas, a grande maioria das quais eram “pessoas de baixos rendimentos”.

Sendo um problema global, requer soluções globais, segundo os participantes do encontro, à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas, a decorrer esta semana, e algumas das propostas mais repetidas foram: criar uma base de dados partilhada para prevenir catástrofes e planear respostas, nomear um representante especial para o “clima e segurança”, e considerar este binómio em toda a ação das políticas de resolução de conflitos.

“A luta pelo clima é uma luta pela paz e segurança, é uma aposta geopolítica”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, que recordou que as catástrofes naturais mataram dois milhões de pessoas desde 1978, sem contar com os milhões de pessoas deslocadas.

Dentro do consenso geral nos debates sobre os riscos do clima para a segurança, alguns oradores, tais como os representantes da China, Rússia e Índia, foram menos alarmistas do que os outros sobre os aspetos de segurança, e acima de tudo relutantes em dar ao Conselho de Segurança poderes para reorientar as políticas com uma abordagem que ligue as duas questões.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.