Primeiro-ministro do Haiti será indiciado pelo assassinato do Presidente Jovenel Moïse

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O ministério público de Port-au-Prince pediu hoje ao juiz encarregado do caso do assassínio do Presidente haitiano, Jovenel Moïse, para indiciar o primeiro-ministro, Ariel Henry, devido a conversas telefónicas mantidas com um dos principais suspeitos do crime.

Bed-Ford Claude, o comissário do Governo de Port-au-Prince — o equivalente a procurador do ministério público — pediu igualmente que o primeiro-ministro seja proibido de deixar o território nacional “devido à gravidade dos factos apresentados”.

O Presidente Moïse foi abatido a tiro a 07 de julho, por um comando armado, na sua residência, na capital haitiana.

Numa carta dirigida ao tribunal de primeira instância de Port-au-Prince, Bed-Ford Claude assegura que “existem suficientes elementos comprometedores para formar a sua convicção sobre a pertinência de processar o senhor Henry e pura e simplesmente pedir a sua acusação formal”.

Numa segunda missiva, enviada ao diretor da administração migratória, o comissário do Governo justifica o pedido de proibição de saída do território para Ariel Henry com “graves suspeitas de assassínio do Presidente da República”.

Na sexta-feira passada, Bed-Ford Claude tinha já convidado o chefe do executivo a apresentar-se hoje na procuradoria, afirmando que Henry tinha mantido, algumas horas após o assassínio de Jovenel Moïse, conversas telefónicas com uma das pessoas ativamente procuradas no âmbito da investigação do caso.

Antigo membro da unidade de combate à corrupção, dependente do Ministério da Justiça, Joseph Félix Badio terá sido geolocalizado no bairro onde se situa a residência particular de Jovenel Moïse, durante chamadas feitas a Ariel Henry às 04:03 e depois às 04:20 na noite do atentado.

No sábado, o primeiro-ministro criticou a iniciativa do procurador, classificando-a como manobra de diversão.

“As manobras de diversão para semear a confusão e impedir a justiça de fazer serenamente o seu trabalho não passarão”, reagiu Ariel Henry.

“Os verdadeiros culpados, os autores morais e os mandantes do odioso assassínio do Presidente Jovenel Moïse serão encontrados, levados perante a justiça e punidos pelo seu crime”, acrescentou.

No total, 44 pessoas, entre as quais 18 cidadãos colombianos e dois norte-americanos de origem haitiana, foram já detidas no âmbito da investigação sobre o homicídio de Jovenel Moïse, cometido na sua residência sem que qualquer dos seus seguranças tenha ficado ferido.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.