Praias de Luanda reabriram pondo fim a mais de um ano de “sufoco”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

As praias em Luanda, capital angolana, estão desde hoje abertas ao público, depois de mais de ano e meio de interdição, o que agradou aos utentes, depois de tempos “de terror” e “de sufoco”, e surpreendendo alguns residentes.

Apesar do número ainda tímido de pessoas, tendo em conta o facto de ser um dia útil da semana, alguns populares estavam informados, outros nem por isso, nas praias da ilha de Luanda, havendo quem comercializava bens alimentares e vestuário, ou aproveitasse a temperatura amena para um mergulho.

Algumas vendedoras ainda se questionavam sobre a notícia da reabertura das praias.

“É com muita surpresa, saí de casa, não contava e as minhas colegas me disseram que a praia está aberta”, referiu Deolinda Francisco, vendedora ambulante de roupas, entre as mulheres com dúvidas sobre a abertura das praias, que saiu de casa para trabalhar e “com muita surpresa” recebeu a novidade.

Deolinda Francisco contou à Lusa que viveu meses de “terror”, durante o período em que ficou impedida de comercializar os seus bens devido às medidas de prevenção e combate à covid-19, sendo este o único meio de sustento para alimentação e educação dos filhos.

“Nós, que dependemos das vendas daqui da praia foi muito triste para nós”, disse a comerciante, afirmando que sobreviveu com a ajuda do marido.

A vendedora constatou que as praias ainda estão vazias, o que justificou com “medo da polícia”, sublinhando que, durante a proibição do uso das praias, muitas pessoas foram detidas pelas autoridades policiais.

Suzete Lopes, que se dedica a um negócio de venda alimentar, também só hoje soube que o acesso às praias voltou a ser permitido, notícia que recebeu com satisfação, porque é na ilha “onde procura o pão” para os filhos.

“As pessoas vão gostar, vamos ter mais clientes, vai ser muita mudança, principalmente para o nosso lado, porque precisamos do dinheiro deles e eles da nossa comida, por isso é que estamos contentes”, afirmou Suzete Lopes, que ficou durante todo o tempo de proibição em casa.

A comerciante contou que algumas colegas durante a proibição iam fazendo vendas às escondidas da polícia, mas Suzete preferiu ficar em casa e “vender torresmo, só para não ficar sem dinheiro”.

Por sua vez, Carina Alves, estudante e ‘influencer’ digital, ficou a saber da abertura das praias a partir das notícias, manifestando contentamento, já que a família tem o hábito de conviver na praia.

“Então, estou bastante feliz, porque nós vamos poder estar juntos novamente”, referiu, que tinha saído da universidade para a ilha.

Questionada sobre o período que viveu longe das praias, a estudante disse que se sentiu “bastante triste e sufocada”.

“Porque a praia deixa-me livre e bem, acho que a todo o mundo”, salientou.

O mesmo fez Geovana Oliveira, estudante, que se deslocou à ilha de Luanda para apreciar o mar, mesmo sem saber da abertura ao público.

“Fiquei só a saber depois de estar cá. Tinha mesmo saudades do mar, quis sentir este cheiro, o barulho do mar, é o que me fez chegar até aqui”, explicou a estudante, que estava acompanhada de uma amiga.

Geovana Oliveira, que acha que a reabertura das praias vai deixar as pessoas “bastante felizes”, não teme um aumento dos casos de covid-19, apesar de ter sido este o motivo do encerramento, em março de 2020, quando os primeiros casos foram notificados no país.

“Primeiro, porque já temos as vacinas disponíveis e porque todo o mundo já sabe os devidos cuidados que tem que ter, então acho que não vai aumentar os casos” de covid-19, frisou.

Angola começou a ensaiar este mês um regresso à normalidade com novas medidas de combate à pandemia de covid-19, incluindo o fim da quarentena para quem tiver a vacinação completa e a abertura a partir de hoje das zonas balneares.

Até terça-feira, o país tinha registado um total de 51.047 casos confirmados, dos quais 1.358 óbitos e 4.276 ativos, com 45.413 recuperações da doença.

A covid-19 provocou pelo menos 4.646.416 mortes em todo o mundo, entre mais de 225,72 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.