Mais de 2.300 pessoas morrem um dos piores surtos de cólera na Nigéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Mais de 2.300 pessoas morreram num dos piores surtos de cólera dos últimos anos na Nigéria, tendo registado pelo menos 69.925 casos suspeitos de infeção até ao início de setembro, em 25 dos 36 estados daquele país africano.

De acordo com o Centro de Controlo de Doenças (CDC) da Nigéria, os casos foram contabilizados até 05 de setembro.

As crianças entre os cinco e os 14 anos são as mais afetadas e taxa de mortalidade global é de 3,3%, mais do dobro da de covid-19 (1,3%).

Na Nigéria, pelo menos 2.323 pessoas morreram alegadamente de cólera este ano, mas há a preocupação de que os números sejam maiores, uma vez que muitas comunidades afetadas se encontram em zonas de difícil acesso.

Os estados do norte, onde as inundações e a falta de saneamento aumentam o risco de contágio, são os mais afetados. Os 19 estados do norte contam 98% casos suspeitos.

A cólera é endémica e sazonal no país mais populoso de África, em que apenas 14% da população de mais de 200 milhões tem acesso a serviços de abastecimento de água potável, de acordo com dados do governo do ano passado, que revelaram também que a defecação a céu aberto ainda é praticada por cerca de 30% de habitantes em 14 estados.

A Nigéria continua ainda a ter surtos regulares de febre amarela, febre de Lassa, sarampo e outras doenças infecciosas.

“Devemos manter-nos conscientes de que estes múltiplos surtos podem prejudicar ainda mais o nosso sistema de saúde”, disse o diretor-geral cessante do CDC, Chikwe Ihekweazu, em declarações à agência de notícias AP.

Chikwe Ihekweazu e outras autoridades indicaram que a experiência com estas crises de saúde ajudou o país a preparar-se para o pior.

“O investimento anterior em capacidade de diagnóstico, gestão de casos, sistemas de vigilância eletrónica, vigilância baseada em eventos, comunicação de risco, sistemas de gestão logística e desenvolvimento de força de trabalho nacional / subnacional foram recompensados significativamente durante a pandemia da covid-19”, afirmou.

No entanto, o investimento não conteve a cólera e, em alguns estados, as autoridades referiram que a covid-19 ocupou o centro das atenções.

O surto de cólera de 2021, com a taxa de mortalidade mais alta dos últimos quatro anos, é agravado pelo que muitos consideram ser uma prioridade maior para os governos estaduais nigerianos: a pandemia da covid-19.

A Nigéria enfrenta um reaparecimento de casos de infeção provocados pela variante Delta.

Menos de 1% da população foi totalmente vacinada contra a covid-19.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.