Governo angolano vai investir 100 mil milhões na recuperação das estradas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Ministério das Obras Públicas e Ordenamento do Território tem disponível 100 mil milhões de kwanzas para retomar as obras de estadas paralisadas, para melhorar a mobilidade rodoviária, anunciou, esta terça-feira, em Ndalatando, o ministro Manuel Tavares de Almeida.

Em declarações à imprensa, Manuel Tavares assegurou que, com este reforço orçamental, o Ministério das Obras Públicas e Ordenamento do Território retomará o plano de salvação de estadas, bem como a continuação das obras paralisadas por falta de recursos financeiros.

Sem indicar prazo, o responsável declarou que o sector precisa reabilitar, com maior urgência, os troços Catete/ Maria Treza/Ndalatando, num percurso de cerca de 160 quilómetros.

Manuel de Almeida apontou igualmente o reinício das obras entre os municípios de Samba Caju, Banga, Quiculungo e Bolongongo, num percurso de  90,5 quilómetros, paralisadas há cerca de dois anos, por atraso no pagamento.

Iniciada em Julho de 2017, a empreitada, com prazo de execução de 15 meses, está orçada em 11 mil milhões, 623 milhões, 865 mil, 305 kwanzas e  20 cêntimos.

O troço consta de um pacote de três lotes: Samba Caju/Uiangombe/Banga, num percurso de 46 quilómetros, Banga/Quiculungo, numa extensão de 35,5 quilómetros, e Quiculungo/Bolongongo, com nove quilómetros e meio.

A plataforma contempla uma camada de desgaste de cinco centímetros em betão betuminoso, outra de base em agregado britado de granulometria extra e uma sub-base de solo estabilizado granulometricamente sem mistura, ambas de 20 centímetros.

A obra conta com um perfil transversal de 10 metros de largura, duas faixas de rodagem com 3,5 metros cada e dois metros de berma.

Contempla a construção de 50 passagens hidráulicas e sete pontes com vão entre 10 a 25 metros de cumprimento, além de obras complementares e de sinalização.

 Manuel Tavares de Almeida, asseverou que o troço está já com um nível de execução física de 65 por cento e que a empresa encarregue a efectuar os trabalhos, (Griner Engenharia S.A), concluiu a construção de sete pontes no referido ramal.

Além dessas obras, de acordo com o Ministro, estão igualmente previstos nesse pacote, o reinício dos trabalhos de construção da estrada, no troço do sector do Cuso/Samba Lucala, paralisadas há cerca de cinco anos, numa extensão de 38 quilómetros, por constituir um importante seguimento da produção agrícola na província.

Manuel de Almeida informou que será feito um concurso para a construção da estrada que liga os municípios de Calandula (Província de Malanje) e Ambaca (Cuanza Norte), passando pela comuna do Luínga, no sentido de potencializar e escoar a produção agrícola no planalto de Camabatela.

Quanto à via  que lida os municípios de Golungo Alto e Ngonguembo (36 quilómetros), o responsável assegurou que a empresa já está a concentrar o material no terreno para o início das obras.

Recentemente, informou,  o Ministério das Obras Públicas e Ordenamento do Território lançou também concursos para adjudicação de importantes troços rodoviários, situados na região do Quilombo dos Dembos,  para a melhoria da circulação de pessoas e bens.

Angop

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.