Pelo menos 4,2 milhões de mortos em todo o mundo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A pandemia da covid-19 causou pelo menos 4.257.424 mortos no mundo desde que a doença foi identificada em dezembro de 2019 na China, segundo um balanço da agência France Presse até às 10:00 TMG de hoje.

Mais de 200.187.100 casos de infeção pelo coronavírus responsável pela pandemia foram diagnosticados oficialmente no mesmo período. A grande maioria dos doentes recupera, mas uma parte ainda mal avaliada continua com sintomas durante semanas ou até meses.

Nas últimas 24 horas foram registados 10.245 mortos e 626.090 casos em todo o mundo. Os países com maior número de mortos foram a Indonésia com 1.739 novos óbitos, o Brasil (1.175) e a Rússia (794).

Os Estados Unidos são o país mais afetado em termos de mortes e casos, com 614.785 mortes em 35.330.902 casos, de acordo com a contagem realizada pela Universidade Johns Hopkins

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil, com 559.607 mortos e 20.026.533 infetados, a Índia, com 426.290 mortes (31.812.114 casos), o México, com 242.547 óbitos (2.901.094 casos) e o Peru, com 196.673 óbitos (2.119.068 infetados).

Entre os países mais atingidos, o Peru é o que apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 596 mortes por cada 100.000 habitantes, seguido da Hungria (311), da Bósnia (295), da República Checa (284) e da Macedónia do Norte (264).

A América Latina e as Caraíbas totalizavam hoje, às 10:00 TMG, 1.382.697 mortes em 41.168.743 casos, a Europa, 1.207.715 mortes (59.029.835 casos), a Ásia 687.821 mortes (45.551.966 casos), os Estados Unidos e Canadá 641.403 mortos (36.765.027 infetados), o Médio Oriente 153.674 mortos (9.707.046 casos), a África 173.871 mortes (6.857.065 infetados) e a Oceânia 1.415 mortes (89.337 casos).

Os números da AFP baseiam-se em balanços diários das autoridades de saúde de cada país e em informações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e excluem as revisões posteriores de determinados organismos estatísticos, que indicam um número muito superior de óbitos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) calcula, tendo em conta o excesso de mortalidade ligada direta e indiretamente à covid-19, que o balanço da pandemia poderá ser duas a três vezes superior ao registado oficialmente.

Desde o início da pandemia, o número de testes realizados aumentou drasticamente e as técnicas de rastreamento e despistagem melhoraram, levando a um aumento no número das infeções declaradas.

No entanto, uma proporção significativa dos casos menos graves ou assintomáticos não são detetados.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.