Frente Patriótica Unida anuncia até final do mês o seu líder

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O líder da UNITA, maior partido da oposição angolana, Adalberto Costa Júnior, integrante da Ampla Frente Patriótica Unida, disse hoje que o líder desta iniciativa política tripartida será anunciado ainda no final deste mês.

Adalberto Costa Júnior falava num ato conjunto em que foi lida uma declaração política, rubricada por si, pelo presidente do Bloco Democrático, Filomeno Vieira Lopes, e pelo líder do projeto político PRA-JA Servir Angola, Abel Chivukuvuku.

O líder da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) afirmou que o partido atualmente no poder não está preparado para ser oposição.

“É notório que quem nos governa hoje mostra sinais claros e preocupantes de que não está preparado para abandonar o poder e o homem democrata deve estar preparado sempre para desempenhar o seu papel, se ele está na oposição, é uma posição nobre de participação, porque sem oposição não há os alertas necessários à governação, há distração”, disse.

Segundo Costa Júnior, quem está no poder “pensa que nasceu para governar os outros, que o poder lhe pertence por herança permanente e definitiva e denota efetivamente dificuldades com alguma tranquilidade de tratar o outro como irmão e não como um inimigo”.

“Um adversário político não é um inimigo, é um concorrente, um competidor e a competição engrandece e melhora os conteúdos”, acrescentou.

Adalberto Costa Júnior apelou aos angolanos para não se deixarem “transportar pelos radicalismos”, frisando que é já do conhecimento do grupo que “há muitos níveis” em que “já se está a fazer campanha contra a Frente Patriótica”.

“Foi aqui afirmado e volto a fazê-lo, compromisso nosso em formatar, penso que até final deste mês, o anúncio público definitivo da liderança da frente, da sua composição, mas também o facto de nós estamos num movimento com as portas abertas até às eleições [gerais de 2022]”, adiantou.

De acordo com o líder da UNITA, esta frente “tem a sensibilidade e comprometimento patriótico de fazer diferente, de corrigir quem demonstra estar cansado de uma governação em que já não tem inspiração”.

Na sua intervenção, Chivukuvuku expressou que liderar a frente não é para si o mais importante, mas apenas integrar o novo projeto político, para responder aos anseios e vontade de mudança dos angolanos.

“Existe uma perceção errónea no nosso país, construída ao longo de anos, que o mano Abel só aceita ser o número um onde está. Eu tive um mestre na vida que me ensinou que na vida o mais importante não são os títulos, porque os títulos hoje existem e amanhã não existem. O meu mestre dizia: hoje posso te promover e amanhã despromovo, hoje posso te nomear e manhã exonero, mas ninguém vai conseguir tirar o teu propósito e aquilo que estiver na tua cabeça”, referiu.

Segundo Abel Chivukuvuku, o seu propósito é servir o país, independentemente dos títulos ou das posições, ser protagonista da alteração qualitativa da sociedade.

“A breve trecho o país saberá aquilo que, entre nós os três, concordarmos e aquilo que será a liderança da Frente Patriótica Unida”, frisou, realçando que urge trabalhar, “com flexibilidade e rigor, mas sobretudo com celeridade e prudência” para que brevemente possam anunciar ao país e aos cidadãos o surgimento desse novo fenómeno político, “que deverá transmitir fé e esperança” aos que se sentem “frustrados e desanimados”.

Já o líder do Bloco Democrático considerou que o regime está esgotado, sentimento que é extensivo à oposição.

“O regime tem que mudar, mas não é só o regime que está esgotado, a oposição também está esgotada. Nós andamos há décadas a propor coisas novas, a fazer apelos, no parlamento todos os anos a oposição sugere, vamos chegar aos 20% para a educação, aos 15% para a saúde, aos 10% para a agricultura, pelo menos 1% para a investigação científica, nada disso acontece. A oposição está esgotada, tem um muro à frente, tem uma barreira, não pode desenvolver o seu programa”, criticou.

Filomeno Vieira Lopes disse que também a sociedade civil está esgotada e a juventude já ultrapassou os limites.

“Estamos todos esgotados. Se apreciarmos bem, os grandes fóruns da sociedade civil, que vêm propondo recomendações ao nosso Governo, as próprias igrejas, as epístolas dos bispos e de outros grupos de igreja que emitem sugestões para a reconciliação e a paz, o desenvolvimento deste país, emitem opiniões, todas elas batem na barra”, sublinhou o político, dando o exemplo do debate sobre as eleições autárquicas, anunciadas para 2020, entretanto, não realizadas.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.