França e ONU pedem a doadores 295 milhões de euros em ajuda para salvar Líbano

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A conferência internacional de doadores para o Líbano, que decorre hoje e organizada pela França e pelas Nações Unidas, visa recolher 295 milhões de euros em ajuda de emergência, precisamente um ano após a explosão no porto de Beirute.

Ao anunciar segunda-feira a reunião de doadores, a Presidência francesa sublinhou tratar-se de “voltar a socorrer o povo libanês”, depois de terem sido arrecadados 280 milhões de euros durante uma primeira conferência internacional, em agosto de 2020, realizada cinco dias após a explosão que matou mais de 200 pessoas e traumatizou o país.

“Enquanto a situação se agravou, as Nações Unidas avaliam em mais de 350 milhões de dólares [295 milhões de euros] as novas necessidades que terão de ser atendidas nas áreas da alimentação, educação, saúde e saneamento de água”, segundo o comunicado do Eliseu.

A escolha da data coincide com o primeiro aniversário da tragédia e, além de fazer um balanço da situação atual, visa aumentar a pressão para a formação de um governo libanês.

“A França, como a comunidade internacional, quer um governo capaz de aplicar reformas, de retomar negociações com o Fundo Monetário Internacional e de se preparar para as eleições do próximo ano. Um Executivo que faça o trabalho que se espera dele”, indicaram, na mesma altura, fontes da presidência francesa.

O Líbano, nas mãos de um governo interino há quase um ano, passou pela renúncia de dois líderes desde o verão passado devido à falta de consenso político: Mustafa Adib, que durou apenas um mês no cargo, e Saad Hariri, que se demitiu no passado dia 15 de julho após nove meses de desentendimentos com o Presidente libanês, Michel Aoun.

O novo primeiro-ministro designado, Najib Mikati, anunciou, também segunda-feira, que um novo governo só será formado depois do dia de hoje, mas sem avançar uma data precisa.

Sexta-feira passada, o bloqueio da situação levou os países da União Europeia (UE) a aprovaram o quadro jurídico que lhes permite sancionar pessoas ou entidades que considerem responsáveis por obstruir ou minar o processo político democrático.

Porém, a ajuda humanitária que venha a ser acordada nesta terceira conferência internacional é, segundo a França, incondicional, não estando sujeita à exigência de instauração de um novo executivo no país.

As prioridades são a alimentação, saúde, educação e a reconstrução, pretendendo também garantir que os mecanismos de distribuição da ajuda ofereçam a eficácia e transparência necessárias.

Na conferência de hoje participam cerca de 40 líderes políticos ou representantes de organismos internacionais, como o secretário-geral da ONU, António Guterres, ou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.