Administradora de Benguela suspende entrega de terras vendidas por suspeitas de fraude

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A entrega de terrenos no bairro das Salinas, em Benguela, capital da província com o mesmo nome, foi adiada devido a suspeitas de fraude nas vendas, que levaram à suspensão de altos quadros da Administração Municipal (AMB), soube a VOA de fonte segura.

Com início previsto para amanhã, 28, oito meses após a conclusão das vendas, o processo de entrega aos candidatos foi travado pela administradora municipal, Paula Marisa, no cargo há trinta dias.

A entrega de terrenos vinha sendo anunciada na Rádio Benguela, para o espanto das centenas de famílias desalojadas do bairro, mas indicadores de fraude, também em relação à titularidade dos lotes, determinaram a medida.

Por esta e outras razões, segundo a fonte da Administração Municipal de Benguela, Paula Marisa Correia suspendeu quadros e leva a cabo o que que observadores chamam de “limpeza total”, numa alusão a exonerações, que vão do Gabinete de Estudos e Plano às áreas técnica e de infra-estrutura.

Atento a estas movimentações, o porta-voz das famílias empurradas para o magistério Lúcio Lara, João Valeriano, lembra que há um caso em tribunal e desaconselha a distribuição dos terrenos.

“Se entregarem as terras, como já temos avisado, também vamos pegar nas nossas coisas e vamos deixar lá nas Salinas. Ou há justiça ou não há, se adiaram… vamos continuar com esse pensamento”, avisa Valeriano.

Agora, Valeriano diz não estar surpreendido com o adiamento da entrega de lotes, cujo anúncio, como salienta, deixou também agastado o advogado das famílias

“O nosso advogado (José Faria) ficou surpreendido e por isso mesmo entrou em contacto com a senhora administradora. Eles estavam a negociar, por isso estamos admirados”, conta o morador.

Na tomada de posse, em finais do mês passado, a administradora municipal admitiu que estava a par do velho problema de terrenos na sua instituição.

“Acabamos de chegar, vamos analisar tudo e depois tomamos as decisões. Se tivermos motivo de fazer mudanças não vamos hesitar”, garantia a administradora.

Um ano e um mês é o tempo da estada das famílias desalojadas das Salinas na escola do magistério.

VOA

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.