Franceses “sem medo” nos museus e cinemas graças ao passe sanitário

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

As filas no Museu do Louvre eram mais longas esta manhã devido à verificação do passe sanitário, no primeiro dia em que a medida está em vigor em França, mas todos esperavam pacientes e sem medo de voltar ao museu.

O Guardião

“Decidimos vacinar-nos porque nos parece lógico ser vacinado para não apanhar o vírus. Por nós e pelos outros. Temos muito mais confiança quando vamos visitar um sítio, porque não temos medo”, disse Marie, que esperava a sua vez de entrar no Museu do Louvre, em declarações à Agência Lusa.

Esta francesa de 70 anos partiu de Nantes há três semanas com o marido para umas férias dentro de fronteiras e o anúncio, feito na semana passada pelo Presidente Emmanuel Mácron, da obrigação de um passe sanitário para entrar em locais públicos com mais de 50 pessoas a partir de hoje, apanhou-a desprevenida.

“Ainda não temos a aplicação para o telefone, mas temos o nosso certificado de vacinação em papel, portanto não vamos ter problemas a entrar”, garantiu Marie.

A partir de hoje, museus, cinemas, mas também bibliotecas, piscinas e ginásios em França só vão ser acessíveis a quem tiver a vacinação completa há mais de sete dias, a quem apresenta um teste PCR ou antigénico negativo com menos de 48 horas ou um teste positivo com mais de duas semanas e menos de seis meses – considerando as autoridades francesas que neste caso a pessoa tem imunidade e risco limitado de contrair Covid-19 e de contaminar outros.

Com a introdução deste novo controlo, que se vai aplicar a partir de 01 de agosto também em bares e restaurantes, o ministro anunciou que em locais fechados pode deixar de se usar a máscara. No entanto, grandes museus, como o Louvre, decidiram manter a máscara, assim como a cadeia de cinemas UGC.

Uma decisão que preocupa os epidemiologistas, já que a França entrou oficialmente na quarta fase do vírus, embora ainda não seja visível no quotidiano dos parisienses.

“Ainda não sinto nada, por enquanto. Pelo que temos ouvido, a quarta vaga está aí e esta história do vírus não acabou. Vai haver uma quinta, uma sexta e quem sabe quantas mais? Eu espero que seja mesmo tudo bem controlado como à saída do primeiro confinamento. É do interesse de todos nós”, defendeu Patrícia, completamente vacinada, que aguardava também na fila do Museu do Louvre.

Patrícia é parisiense e está completamente vacinada. Veio ao emblemático museu da capital com duas amigas que estão de férias. Uma delas teve de fazer um teste ao SARS-Cov-2 já que levou a segunda dose da vacina há menos de sete dias.

“Não sei se me sinto mais em segurança por saber que toda a gente à minha volta está vacinada ou testou negativo, mas não há escolha. Se queremos fazer coisas, temos de ter o passe sanitário”, sublinhou a parisiense.

Mas nem toda a gente sabia. Na fila para o Louvre, Valeria e as amigas, vindas do México para quatro dias em Paris, souberam através da Agência Lusa desta medida.

“Não sabíamos, duas de nós estão vacinadas, mas a nossa amiga tem um teste, que foi o teste com que chegámos aqui”, explicou a mexicana, explicando que a vacinação no seu país decorre “a um bom ritmo” e sem contestação.

Ao mesmo tempo que o passe sanitário nacional entra em vigor, os protestos contra esta medida decorrem em várias cidades franceses todos os fins de semana.

Os manifestantes falam de ditadura, de imposição e alguns compararam mesmo esta medida à imposição da estrela de David aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial, uma comparação que causou mal-estar políticos e críticas por parte das associações de vítimas do Holocausto em França.

“Acho este debate à volta do passe sanitário ridículo. É preciso que as pessoas se vacinem senão o vírus vai continuar a propagar-se e nunca mais vamos sair disto”, conclui Marie, cujo um dos filhos decidiu não se vacinar e deixou de participar nas reuniões familiares.

Desde o anúncio de Emmanuel Macron, mais de quatro milhões de franceses marcaram a primeira dose da vacina e o Governo tem como meta ter pelo menos 40 milhões de habitantes vacinados com a primeira dose até ao fim do mês de julho.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.