NATO pede à China para agir “com responsabilidade” no ciberespaço

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Conselho do Atlântico Norte, órgão de decisão da NATO, lançou hoje um apelo a todos os países, salientando a China, para que ajam com responsabilidade no ciberespaço, após denúncias de ligações de Pequim a crime informático.

A NATO, através do seu órgão máximo de decisão política, junta-se assim aos Estados Unidos e outros países aliados, incluindo a União Europeia (UE), na acusação contra a China de estar por detrás do ciberataque global contra a Microsoft, em março passado.

“Apelamos a todos os estados, incluindo a China, para que respeitem os seus compromissos e obrigações internacionais e ajam com responsabilidade no sistema internacional, incluindo o ciberespaço”, disseram os membros do Conselho do Atlântico Norte, numa declaração conjunta.

A Microsoft já tinha acusado ‘hackers’ apoiados por Pequim de ter tido acesso, ilegalmente, a contas de correio eletrónico – no serviço Exchange Server, da Microsoft — mas, até agora, nem a UE, nem a NATO, nem os EUA tinham responsabilizado diretamente a China, por aguardarem mais informações sobre o ataque cibernético em março, que afetou cerca de 250.000 sistemas de computador em todo o mundo.

O Conselho do Atlântico Norte expressou a sua “crescente preocupação” com as ameaças cibernéticas “complexas, destrutivas, coercivas e cada vez mais frequentes”, que condenou, ao mesmo tempo que mostrou a disponibilidade da NATO para usar todas as suas “capacidades” para as combater “ativamente”.

A declaração surge um dia depois de uma investigação internacional indicar que vários países usaram o ‘spyware’ Pegasus, criado pela empresa israelita NSO Group, para se infiltrarem em telemóveis de jornalistas, ativistas e políticos.

Numa declaração em solidariedade com as vítimas de atividades cibernéticas maliciosas recentes, incluindo a Microsoft, o Conselho do Atlântico Norte revelou a “preocupação crescente com as ameaças cibernéticas à segurança da Aliança”, que disse serem “complexas, destrutivas, coercivas e cada vez mais frequentes”.

De acordo com o comunicado, as ameaças foram recentemente destacadas por incidentes de ‘ransomware’ (bloqueio de utilizadores com pedido de resgate para que sejam desbloqueados) e outras atividades cibernéticas maliciosas, visando a “infraestrutura crítica e instituições democráticas”.

Assim, a NATO condena essas atividades “destinadas a desestabilizar e prejudicar a segurança euro-atlântica e a perturbar a vida diária dos cidadãos”.

O Conselho do Atlântico Norte avisou que vai usar a NATO como uma plataforma para consultas políticas, para partilhar preocupações sobre atividades cibernéticas maliciosas, para trocar abordagens e respostas nacionais, bem como para considerar possíveis respostas coletivas.

No comunicado, o Conselho diz que a NATO deve continuar a adaptar-se ao cenário de ameaças cibernéticas em evolução, que envolve “atores estatais e não-estatais, incluindo aqueles patrocinados pelo Estado”.

“Essas atividades cibernéticas maliciosas minam a segurança, a confiança e a estabilidade no ciberespaço”, alertou o Conselho do Atlântico Norte, que exortou os membros da Aliança e seus parceiros a promover “um ciberespaço livre, aberto, pacífico e seguro”.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.