Governo agradece apoio de Portugal no combate à pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A ministra da Saúde agradeceu o apoio das autoridades portuguesas no combate à pandemia da covid-19, salientando que essa cooperação não se resume à oferta de vacinas, como as que começaram hoje a ser administradas.

Falando no centro de vacinação Paz Flor, em Luanda, que começou hoje a administrar parte das 50 mil doses trazidas pela comitiva presidencial portuguesa na quinta-feira, Sílvia Lutucuta agradeceu esta “doação importante”, com “a promessa de que mais doses virão”.

No sábado, após a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorreu em Luanda, o primeiro-ministro português, António Costa, anunciou que Portugal iria triplicar as vacinas a oferecer aos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste, passando de um milhão para três milhões de doses, a maioria delas Astrazeneca, cuja distribuição na Europa é condicionada.

“A relação com Portugal tem sido boa, temos a agradecer mais uma vez”, afirmou hoje a ministra, que salientou também o apoio de Lisboa noutras áreas do combate à pandemia. “Estamos muitos satisfeitos com esta cooperação”, disse.

Na terceira vaga da pandemia em Portugal, “tivemos quadros médicos e enfermeiros a fazerem trocas de experiência, com estágio em Portugal em várias unidades de referência”, uma “mais-valia importante” com “competências que foram ganhas neste percurso”, explicou a Sílvia Lutucuta.

Em Angola, metade dos casos diários da covid-19 em Angola é da variante inglesa, registando-se também casos da “variante sul-africana, com circulação comunitária aqui em Luanda”, explicou a ministra, salientando que, no caso da variante Delta, só “foram registados sete casos, prontamente isolados”, dois dos quais oriundos de Portugal.

A ministra esteve hoje no centro de vacinação acompanhada pelo embaixador português Pedro Pessoa e Costa que elogiou o processo angolano.

“Portugal está sempre atento às necessidades de Angola” e é “neste equilibro solidário que vamos continuar a trabalhar”, disse o diplomata.

Para Pessoa e Costa, “Angola tem sido um exemplo na maneira como, desde logo, começaram a lidar com a questão da Covid”, num “cada vez mais necessário equilíbrio entre a economia e a situação de risco”, pelo que a “economia tem vindo a abrir com cautela, com respeito pelo vírus”.

Angola tem adotado medidas muito restritivas à circulação interna, com quarentenas institucionais e obrigatórias, exigências de testes PCR regulares e um cerco à capital.

A ministra justifica esta ação mais musculada: “Angola é um exemplo de equilíbrio entre economia e a questão sanitária. Portanto, temos de ir abrindo de acordo com situação sanitária para não deixarmos tudo a perder”.

Quanto à futura imunidade de grupo no país, Sílvia Lutucuta não quer dar uma meta, porque tudo depende da “disponibilidade da indústria de produção de vacinas”.

O país tem registados mais de 40 mil casos confirmados, com 957 mortes para uma população total de 30 milhões de pessoas.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.