Violência na África do Sul agrava pandemia – Consultora

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A consultora Capital Economics considerou hoje que a violência na África do Sul deverá levar a um abrandamento da atividade económica, principalmente devido à conjugação com as medidas de confinamento para conter a pandemia de covid-19.

“Pensamos que haverá um abrandamento modesto, e não uma queda da atividade económica e, mesmo assim, isto irá refletir principalmente o impacto da terceira vaga da covid-19 e o aprofundamento das medidas de contenção do vírus, mais do que a agitação social”, escrevem os analistas da Capital Economics.

Numa nota sobre a economia sul-africana, enviada aos clientes e a que a Lusa teve acesso, os analistas britânicos sublinham que o maior impacto da violência que tem varrido o país vai centrar-se na posição orçamental do país.

“As finanças públicas estavam num mau estado à entrada para a pandemia e, apesar do impacto não ter sido tão severo como inicialmente se julgava, o défice das contas públicas ainda foi de 11% do PIB no último ano fiscal e a dívida disparou para 78,8% do PIB, o que levou o Governo a imprimir duras medidas de austeridade, com o congelamento dos salários dos funcionários públicos durante três anos”, apontam.

A África do Sul tem vivido uma onda de violência no seguimento da detenção do antigo Presidente Jacob Zuma, mas o atual Presidente tem apontado as dificuldades económicas como a principal razão para os protestos, com a economia 3,7% abaixo do nível pré-pandemia, e o desemprego a subir para mais de 30%.

“Há claramente uma grande incerteza relativamente à agitação na África do Sul e sobre como isso vai evoluir, com o principal risco a ser o estado fragilizado da economia, que limita a capacidade do Governo para imprimir medidas de austeridade e colocar a dívida pública numa trajetória sustentável”, concluem os analistas.

De acordo com um relatório oficial, pelo menos 117 pessoas foram mortas – incluindo 91 em Kwazulu-Natal – e mais de 2.000 presas durante esses seis dias de violência, segundo dados oficiis.

Os incidentes começaram na semana passada, um dia após o ex-presidente Jacob Zuma ter sido detido e condenado a 15 meses de prisão por desacatos à justiça.

Após a detenção, o país mergulhou numa série de protestos e pilhagens sem precedentes na história recente do país.

Estima-se que vivam cerca de 450.000 portugueses e lusodescendentes na África do Sul, dos quais pelo menos 200 mil em Joanesburgo e Gauteng, e 20.000 no KwaZulu-Natal, mas segundo o conselheiro português não há cidadãos nacionais entre as vítimas.

A África do Sul, o país mais afetado no continente pela pandemia de covid-19, contabiliza mais de 2,2 milhões de casos de infeção, dos quais resultaram mais de 65.000 mortes.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.