Angola recebe 16 propostas para exploração petrolífera nas Bacias do Congo e Kwanza

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Um total de 16 empresas, na maioria angolanas, concorreram ao concurso internacional de licitação de nove blocos das bacias terrestres do Baixo Congo e Kwanza, com propostas que somam mais de mil milhões de dólares (856 milhões de euros).

Segundo o diretor de Negociações da concessionária Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG), promotora do concurso, o número de empresas concorrentes foi satisfatório, sobretudo pela participação maciça de empresas nacionais.

Entre estas destaca-se a petrolífera estatal Sonangol Pesquisa e Produção, com uma proposta para o Bloco KON 5, com uma participação de 20% como não operador e uma contribuição anual de 2,5 milhões de dólares (2,1 milhões de euros) para projetos sociais e o mesmo valor para projetos de proteção ambiental.

“Nós conseguimos medir que, efetivamente, a estratégia para esta licitação está-se a cumprir”, disse Hermenegildo Buila, igualmente presidente da mesa de júri, frisando que esta licitação foi preparada especificamente para permitir que pequenas e médias empresas entrem para o setor petrolífero angolano.

O responsável salientou que participaram 13 empresas nacionais, como operadoras e não operadoras, e de três empresas internacionais, entre as quais a MTI Energy, do Canadá, que apresentou propostas para oito blocos (CON5, CON6, KON5, KON6, KON8, KON9, KON18 e KON20, em todos como operadora, e participações de 50% e 60%, com contribuições anuais de dois milhões de dólares (1,6 milhões de euros) para projetos sociais e igual valor para projetos de proteção ambiental.

“A MTI Energy é uma empresa canadiana, com elevada capacidade técnica e financeira reconhecida internacionalmente, que manifestou interesse em participar nestas licitações, com propostas muito agressivas, esperamos que ela efetivamente entre para o setor petrolífero angolano, tornando-se futuramente um novo grande ‘player’ na exploração e produção angolano”, salientou. 

Questionado sobre a ausência no concurso de grandes operadoras já instaladas no mercado petrolífero angolano, nomeadamente ENI, Total, BP, Hermenegildo Buila considerou “normal, tendo em conta que a licitação foi preparada especificamente, sem restrições, para pequenas e médias empresas.  

“A ENI, Total e BP são empresas que estão focadas num outro horizonte, no ‘offshore’ para blocos marítimos e a dimensão destes blocos não perfaz a dimensão destas empresas, o que não quer dizer que estas empresas não possam participar no ‘onshore’ de Angola, por exemplo temos a ENI a operar em blocos terrestres”, frisou.

Sobre a participação da Sonangol, como não operadora, o responsável sublinhou que é uma estratégia da empresa, que tem participação em todas as concessões petrolíferas do país, concorrendo nessa qualidade “talvez para não incrementar as suas responsabilidades”.

A maior parte das concorrentes angolanas apresentaram propostas de participação como não operadoras, o que, segundo o diretor de Negociações da ANPG, não pode ser associada à falta de capacidade financeira.

“Para ser operador é preciso ter capacidade técnica para poder operar em determinada concessão, como sabemos temos empresas angolanas que já operam, como é o caso da Somoil, que concorre como operadora, mas as outras que concorreram estão presentes no mercado petrolífero, mas na vertente de bens e serviços”, explicou.

De acordo com Hermenegildo Buila, essas empresas associaram-se a outras empresas internacionais com capacidade técnica e financeira para trabalhar, pelo que no próximo concurso de licitações poderão participar mais empresas nacionais como novas operadoras.

O bloco petrolífero que recebeu o maior número de propostas foi o Bloco Congo 6, com nove propostas. 

Os resultados deste concurso para os nove blocos, sendo três na Bacia terrestre do Baixo Congo (CON1, CON5 e CoN6) e seis na Bacia do Baixo Kwanza (KON5, KON6, KON8, KON9, KON17 e KON20), poderão ser apresentados nos próximos dois meses.

Na sua intervenção, a administradora da ANPG, Natacha Massano, sublinhou a importância do concurso, que constitui um “importante marco na história petrolífera angolana”, pela pretensão de querer promover o retorno da atividade maciça em terra, mas por marcar a entrada de muitos novos ‘players’.

“Regozijamo-nos pela participação das empresas nacionais, algumas delas já a operarem e bem estabelecidas no nosso mercado, como é o caso da Somoil, da Sonangol, e outras cuja experiência tem vindo a ser a nível da prestação de serviço, e hoje aventuram-se na atividade de exploração e produção com muita legitimidade”, frisou.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.