Papa reaparece na varanda de hospital e pede por sistema de saúde de qualidade para todos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Papa reapareceu hoje da varanda do hospital onde está internado desde o domingo passado, depois de ser submetido a uma operação no intestino, e pediu a manutenção de um sistema de saúde de qualidade acessível e “gratuito” para todos.

“Estou feliz por poder manter o encontro de domingo ao realizar o Angelus no hospital Gemelli. Agradeço, senti a vossa proximidade e o apoio das vossas suas orações. Obrigado de coração”, disse o Papa da varanda do décimo andar, na qual estavam algumas crianças doentes, diante de dezenas de fiéis que compareceram ao local e que o receberam com aplausos.

Francisco, de 84 anos, foi submetido a uma cirurgia no domingo passado devido a “uma estenose diverticular grave com sinais de diverticulite,” na qual parte do intestino foi removida e que exigiu anestesia geral.

Antes de rezar o Ângelus, relembrou uma passagem do Evangelho que fala da unção dos enfermos por Jesus e falou da sua própria experiência durante estes dias de convalescença no hospital, em Roma.

“Nestes dias de hospitalização, experimentei a importância de um bom serviço de saúde, acessível a todos, como o da Itália e de outros países. Um sistema de saúde que garante um bom serviço acessível a todos”, disse.

“Não devemos perder este precioso bem. Devemos mantê-lo. E por isso devemos todos nos empenhar, porque serve a todos e requer a contribuição de todos”, referiu ainda.

Nesse sentido, o Papa reconheceu que também na Igreja “às vezes” há um impulso de vender alguma instituição de saúde não está a ir bem por motivos económicos ou por má gestão.

“A vocação da Igreja não é ganhar dinheiro, mas prestar serviço e o serviço é sempre gratuito. Salve as instituições gratuitas”, disse.

Francisco, revendo as Escrituras, explica que cuidar de um doente implica também o ouvir.

“A proximidade, a ternura de quem cuida dos enfermos, é como uma carícia que os faz sentir melhor, alivia as dores e serenos,” disse.

“Mais cedo ou mais tarde todos precisaremos dessa unção e todos podemos doá-la a outras pessoas, com uma visita, um telefonema, uma mão estendida para quem precisa de ajuda”, afirmou.

Por fim, Francisco expressou o seu agradecimento e “incentivo” aos médicos e trabalhadores da saúde no seu quotidiano de trabalho e recordou os doentes do mundo, para que estes “não fiquem sós”.

Os relatórios médicos divulgados pelos Vaticano todos os dias da semana passada garantem que a saúde do Papa está a evoluir conforme o planeado e que Francisco continua com o tratamento prescrito, embora na tarde de quarta-feira tivesse apresentado alguma febre, que já passou.

O Papa deu entrada na unidade de saúde após a oração dominical do Angelus, no domingo passado, quando anunciou aos fiéis reunidos na Praça de São Pedro do Vaticano a sua próxima viagem à Hungria e Eslováquia, de 12 a 15 de setembro.

O anúncio do internamento causou surpresa, pois não se sabia que Francisco teria de se submeter a uma operação que estava marcada para os primeiros dias de julho, mês em que o pontífice reduz ao máximo seus atos para descansar e só mantém a sua presença na oração do Angelus.

Segundo o porta-voz do Vaticano, Matteo Bruni, a cirurgia a uma estenose diverticular já estava programada e durou cerca de três horas.

Esta foi a primeira hospitalização conhecida do Papa desde que foi eleito para líder máximo da Igreja Católica, em 2013.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.