Alemanha regista quase 4.000 infeções de pessoas com vacinação completa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Cerca de 4.000 pessoas que têm o esquema completo de vacinação contra a covid-19 na Alemanha foram infetadas, segundo os últimos dados do Instituto Robert Koch, no mesmo dia em que o país alcançou 40% da população imunizada.

Os dados foram registados desde 01 de fevereiro deste ano e indicam que 3.342 casos de infeção aconteceram após a toma das duas doses da Pfizer-BioNTech, 117 da Moderna, 95 com as da AstraZeneca e 74 com a dose única da Janssen.

O Instituto Robert Koch acrescentou que a eficácia registada das vacinas de 01 de fevereiro a 04 de julho chegou aos 92% na faixa etária entre os 18 e 59 anos, enquanto para maiores de 60, a percentagem era de 60%.

Isso indica que 0,01% dos vacinados menores de 18 anos foram infetados após o esquema completo, sendo que essa percentagem sobe para 0,29% no caso das pessoas entre os 18 e 59 anos, aumentando para 1,12% na faixa etária acima dos 60 anos.

Estes dados de infeção na população vacinada com o esquema completo estão relacionados com o total de casos de covid-19 contabilizados no país desde 01 de fevereiro, especificou o Instituto.

Além disso, o Ministério da Saúde alemão indicou hoje que 40,8% da população alemã, mais de 33,9 milhões de pessoas, já estão totalmente imunizadas.

De acordo com os dados registados até quarta-feira, dia em que foram administradas 961.083 doses, 57,6% da população alemã (quase 47,9 milhões de pessoas) já recebeu pelo menos uma dose.

No total, foram inoculadas 79,7 milhões de doses no país mais populoso da União Europeia, cerca de 96 doses por cada 100 habitantes.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.004.996 mortos em todo o mundo, resultantes de mais de 185 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente feito pela agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, a Índia ou a África do Sul.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.