EUA publicam lista de governantes suspeitos de corrupção na América Central

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Departamento de Estado dos Estados Unidos publicou hoje uma lista com mais de 50 governantes e ex-governantes, incluindo ex-presidentes e juízes no ativo, suspeitos de corrupção ou de minarem a democracia em três países da América Central.

Muitos dos casos eram conhecidos na Guatemala, Honduras e El Salvador, mas a inclusão de nomes na lista dos EUA é considerada um estímulo a políticas anticorrupção.

Entre as figuras mais sonantes incluídas na lista está o ex-presidente das Honduras, José Porfirio Lobo Sosa, e a ex-primeira-dama Rosa Elena Bonilla de Lobo.

Segundo o relatório do Departamento de Estado, Lobo Sosa aceitou subornos de um cartel de droga e a sua esposa esteve envolvida em fraude e apropriação ilegítima de fundos.

Ambos negam as acusações e a condenação de Bonilla por estas acusações foi invalidada pelo Tribunal Supremo no ano passado, aguardando-se novo julgamento.

Tão significativa como a inclusão de Lobo Sosa é a omissão do atual presidente das Honduras, Juan Orlando Hernández, refere a AP.

Procuradores do Estado de Nova Iorque sinalizaram que Hernández financiou a sua ascensão política com subornos a traficantes de droga, embora nunca tenha sido formalmente acusado.

O seu irmão, o ex-congressista Juan Antonio Hernández, foi condenado em março, em Nova Iorque, a prisão perpétua por tráfico de droga.

A divulgação destes nomes acontece num momento em que o Governo liderado por Joe Biden dá uma nova atenção à corrupção endémica naquela região, sendo apontada como um dos fatores para que os centro-americanos migrem para os Estados Unidos.

Em El Salvador, ex-funcionários do Estado, um juiz e a chefe de gabinete do presidente Nayib Bukele foram incluídos na lista.

A chefe de gabinete Carolina Recinos tem-se mantido discreta desde que em maio o seu nome apareceu numa lista, mais curta, do Departamento de Estado, embora funcionários do Governo relatem que se manteve ativa.

Segundo a lista divulgada hoje, Carolina Recinos esteve envolvida “em corrupção significativa ao usar indevidamente fundos públicos para benefício pessoal” e participou num esquema de lavagem de dinheiro.

Na Guatemala, o ex-presidente Alvaro Colum Caballeros foi acusado de envolvimento em fraude e peculato no caso de um novo sistema de transportes públicos na Cidade da Guatemala.

O atual juiz do Tribunal Supremo, Manuel Duarte Barrera, terá “abusado da sua autoridade para influenciar e manipular a nomeação de juízes para altos cargos”, tal como outro juiz da mesma instituição, Nester Vásquez.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.