Financiamento de 600 milhões de euros para produção de vacinas “em África e para África”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os Estados Unidos anunciaram hoje que o financiamento internacional de 600 milhões de euros para a produção de vacinas “em África e para África” visa ultrapassar o desafio da covid-19, mas também de outras doenças que ameaçam o continente.

O anúncio foi feito durante uma conferência de imprensa online com a imprensa sobre o apoio internacional ao fabrico e produção de vacinas contra a covid-19 no continente africano, país que está a ser atingido por uma terceira vaga da pandemia, que já matou 142 mil pessoas na região.

David Marchick, diretor de operações da Corporação Financeira para o Desenvolvimento (DFC, da sigla em inglês International Development Finance Corporation) norte-americana, sublinhou nesta conferência de imprensa a preocupação com o crescimento de casos de covid-19 em África, o continente com “o menor número de vacinas” administradas.

“É particularmente importante ajudar África a produzir localmente vacinas em África e para África”, disse.

O financiamento total de 600 milhões de euros contará com 200 milhões de euros dos Estados Unidos, mas também da Alemanha, França e da Corporação Financeira Internacional (IFC), e servirá para a Aspen Pharmacare Holdings, sediada na África do Sul, expandir a capacidade local de fabrico de vacinas.

O objetivo desta medida é ajudar o continente a produzir as vacinas que tanto necessita, mas também proporcionar uma capacidade futura para responder aos desafios de saúde que continuam a ser colocados à região, explicou David Marchick.

Neste encontro com a imprensa, a coordenadora da Resposta Global à Covid-19 e Segurança da Saúde do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Gayle Smith, garantiu que a entrega das vacinas está “no top da agenda” do Presidente Biden.

“Somos o maior dador da Covax, a plataforma internacional de vacinas, e o Presidente Biden já anunciou que iríamos partilhar 18 milhões de vacinas. E vamos partilhar mais”, referiu.

Segundo Gayle Smith, estas vacinas estão neste momento em processo de entrega, que vai continuar nos próximos dias e semanas.

A responsável pela resposta dos Estados Unidos à pandemia recordou que Joe Biden irá ainda fornecer 500 milhões de doses da vacina Pfizer contra a covid-19 a cerca de 100 países.

“Fazemos o que podemos para que o maior número de países tenha o mais depressa possível acesso às vacinas”, frisou, sublinhando que isso passa, entre outras coisas, por aumentar a produção das vacinas.

Para Gayle Smith, o investimento agora anunciado vai ser muito importante para uma “resposta urgente” à pandemia de covid-19 no continente africano, mas também para, a longo prazo, o incremento da capacidade de produção de outros bens, como vacinas para outras doenças que África importa praticamente na sua totalidade.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.949.567 mortos no mundo, resultantes de mais de 182,1 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

O continente africano já ultrapassou os 5,5 milhões de casos de contaminação por Covid-19, anunciaram hoje as autoridades africanas sanitárias, apontando que há 88% de recuperações, equivalente a 4,8 milhões de pessoas.

A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.