Mais de três mil milhões de vacinadas administradas em todo o mundo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Mais de três mil milhões de doses de vacinas foram administradas em todo o mundo, de acordo com uma contagem realizada hoje pela agência France-Presse (AFP) a partir de fontes oficiais, às 10:00.

Embora tenham sido atingidas as primeiras 1.000 milhões de doses inoculadas após 20 semanas do início das primeiras campanhas de vacinação em massa, em dezembro, e os dois mil milhões em seis semanas, as 3.000 milhões de doses administradas demoraram menos de quatro semanas.

Cerca de 40% das doses administradas em todo o mundo (1,2 mil milhões) foram na China, enquanto a Índia (329 milhões) e os Estados Unidos (324 milhões) fecham o pódio.

Em relação à população, entre os países com mais de um milhão de habitantes, é no Médio Oriente que se encontram os campeões da vacinação: Emirados Árabes Unidos (153 doses por 100 habitantes), Bahrein (124) e Israel (124), são os países que se aproximam ou já ultrapassaram a barreira de 60% da população totalmente imunizada.

No pelotão, seguem o Chile (118 doses por 100 habitantes), Reino Unido (113), Mongólia (111), Uruguai (110), Hungria (107), Catar (107) e Estados Unidos (98), países que imunizaram totalmente cerca de metade da população (entre 46% e 54%).

A União Europeia administrou 357 milhões de doses a 50% da sua população.

Cerca de 32% dos habitantes do bloco comunitário estão avançados, sendo que Malta, o menor país da União, é, de longe, o mais avançado, com mais de 70% da população totalmente vacinada.

Os países mais populosos da UE — Alemanha, França, Itália e Espanha — oscilam em torno da matéria, com cerca de um terço da população vacinada.

Enquanto a maioria dos países pobres já começou a vacinar, principalmente graças ao mecanismo Covax (Organização Mundial da Saúde, aliança Gavi e coligação Cepi), a vacinação contra a covid-19 continua a ser marcada por fortes desigualdades: países de “alto rendimento” (segundo o Banco Mundial) administraram em média 79 doses por 100 habitantes, em comparação com apenas uma dose nos países de “baixo rendimento”.

Ao mesmo tempo, há ainda países que não começaram a campanha de vacinação, como a Tanzânia, Burundi, Eritreia, Haiti e Coreia do Norte.

Apesar das polémicas de que tem sido alvo, a vacina AstraZeneca/Oxford, administrada em quase 80% dos países e territórios que estão a vacinar (pelo menos 171 em 2016), é a mais distribuída no mundo, à frente da concorrência desenvolvida pela Pfizer/BioNTech (pelo menos 102 países, ou 47%), Sinopharm e Moderna (pelo menos 48 países, 22%), Sputnik V (pelo menos 41 países, 19%), Johnson&Johnson (pelo menos 31 países, 14%) e Sinovac (pelo menos 24 países, 11%).

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 3.925.816 de vítimas em todo o mundo, resultantes de 181.026.547 casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Angola, segundo os últimos dados oficiais, 1.504.710 foram vacinadas, sendo 949.230 da primeira dose e 555.480 da segunda dose.

A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.