Veterano português que lutou contra independência de Angola condenado 22 anos de prisão por homicídio racista

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Um português de 76 anos foi condenado, nesta segunda-feira (28), a 22 anos e nove meses de prisão por matar um homem negro com seis tiros, após uma briga na qual fez comentários racistas – informou a imprensa local.

O tribunal de Loures, um município na periferia de Lisboa, considerou culpado por homicídio agravado por ódio racial Evarista Marinho, um veterano que combateu nas fileiras portuguesas durante a guerra de independência de Angola.

No início do processo, o réu admitiu os fatos ocorridos no meio da rua, em julho de 2020.

A vítima, Bruno Candé, era um ator de 39 anos nascido em Portugal. Sua família é oriunda de Guiné-Bissau, outra antiga colônia portuguesa na África.

O caso gerou grande polémica, e a polícia portuguesa foi acusada de tentar omitir a motivação racista do crime.

AFP

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.