Antigo Presidente da Costa do Marfim diz que foi julgado porque era “problemático”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O antigo Presidente da Costa do Marfim Laurent Gbagbo disse que foi presente, em 2011, perante o Tribunal Penal Internacional (TPI) porque “era necessário demitir um homem problemático, um concorrente problemático”, durante uma declaração à imprensa.

“O TPI não era a sério, era preciso dispensar um homem problemático, um concorrente problemático, então, fui colocado lá”, disse Gbagbo em Mama, a sua aldeia natal na Costa do Marfim, citado pela France-Presse (AFP).

O antigo chefe de Estado marfinense disse não se arrepender se tivesse “voltado com o título de criminoso”, mas acabou por ser definitivamente absolvido em março pelo TPI, onde esteve a ser julgado por crimes contra a humanidade.

Esta foi a primeira vez, desde que regressou à Costa do Marfim em 17 de junho, depois de uma ausência de dez anos, que o antigo Presidente da Costa do Marfim fala publicamente sobre a absolvição.

Em Mama foi recebido por milhares de pessoas.

Laurent Gbagbo, que estava no poder desde 2000, foi preso em abril de 2011 em Abidjan, e transferido sete meses depois para o TPI para ser julgado pelos atos de violência cometidos depois das presidenciais de 2010.

A recusa em reconhecer a vitória de Alassane Ouattara provocou uma crise pós-eleitoral violentíssima e que deixou 3.000 mortos.

Reeleito em outubro de 2020 para um polémico terceiro mandato, Ouattara deu luz verde para o retorno de Laurent Gbagbo alguns dias depois da absolvição pelo TPI.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.