Angola emitiu 1,7 milhões de bilhetes de identidade nos últimos dois anos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Angola emitiu, nos últimos dois anos, 1,7 milhões de bilhetes de identidade e atribuiu 3,2 milhões de registos de nascimento, informou hoje o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos angolano.

O Guardião

Francisco Queiroz considerou que “está a correr bem” o “Programa de Massificação do Registo de Nacimento e Atribuição do Bilhete de Identidade” iniciado em 2019.

Segundo o ministro, os resultados alcançados até à data para o registo de nascimento representam 36% das metas definidas para o programa, enquanto para o bilhete de identidade 27%.

O ministro frisou que o programa previa registar 6.044.225 cidadãos e emitir 4.232.814 bilhetes de identidade, o que significa que se está a 54% e 40%, respetivamente, da meta.

“Assim desde o início do programa, em novembro de 2019 até maio deste ano foram efetuados 3.288.285 registos de nascimento e atribuídos pela primeira vez 1.710.688 bilhetes de identidade”, disse Francisco Queiroz.

O governante angolano disse que estão por registar 5.826.788 cidadãos e por identificar, pela primeira vez, 4.562.274 cidadãos.

Numa visita de constatação, entre abril e maio, da coordenação técnica do programa, a alguns municípios das províncias do Huambo, Cuando Cubango, Bié, Huíla, Cunene, Namibe, Benguela e Cuanza Sul, foram verificadas algumas irregularidades na emissão de registo de nascimento e bilhetes de identidade.

O titular da pasta da Justiça e dos Direitos Humanos sublinhou que o programa está a correr bem, “apesar de algumas falhas no processo e de alguns constrangimentos conjunturais, que comprometeram, de certo modo, melhores resultados face às metas em mente”.

“Mas se fizermos a avaliação em comparação com outros resultados obtidos noutros programas e até durante a legislatura anterior concluiremos que este programa está a correr muito bem”, afirmou.

De acordo com o ministro, continua a haver preocupações relativamente aos furtos de equipamentos, concluindo-se que este trabalho tem que ser feito em cooperação com as outras instituições que concorrem para a segurança e ordem interna.

Uma das recomendações do encontro, vai no sentido de se reforçar o capital humano (brigadistas), pontualidade no subsídio aos brigadistas, aquisição de meios como viaturas, motos e bicicletas, também material publicitário para mobilizar os cidadãos para procurarem os serviços de identificação e atribuição do bilhete de identidade.

O programa tem um orçamento de 8,1 mil milhões de kwanzas, para despesas operacionais, pagamento de brigadistas e aquisição de viaturas.

O ministro sublinhou que apesar da execução financeira ter corrido de acordo com o que estava previsto as províncias da Huíla, Huambo, Bié, Cuando Cubango, Cunene, Malanje, Uíje a Zaire estão “muito abaixo” do esperado em termos de execução física.

Já as províncias de Benguela, com 75%, Luanda, com 52%, e Cuanza Sul, com 52%, estão com bom nível de execução do programa.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.