Papa encoraja patriarcas católicos do Médio Oriente a rejeitarem ódio e divisão

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Papa Francisco encorajou hoje os patriarcas católicos do Médio Oriente a reivindicarem o seu “justo reconhecimento” como cidadãos desses lugares, mas exortou-os a não recorrerem a “fontes envenenadas pelo ódio” e a não se dividirem.

“Sois chamados a redescobrir como indivíduos ou comunidades a vossa vocação para serem cristãos no Médio Oriente, não só reivindicando o justo reconhecimento como cidadãos originários dessas amadas terras, mas vivendo a vossa missão como guardiães e testemunhas de origem apostólica”, disse o Papa.

O Papa fez o apelo numa carta dirigida aos patriarcas católicos do Médio Oriente pela celebração deste domingo do primeiro Dia da Paz do Oriente, uma liturgia organizada para pedir a Deus a estabilidade naqueles lugares.

O texto é dirigido aos católicos do rito latino no Médio Oriente, aos coptas no Egito, à Igreja arménia, à Igreja síria, à Igreja greco-melquita, à Igreja caldeia, com sede em Bagdade, e à Igreja maronita, estabelecida no Líbano, todas presentes na região.

Francisco recordou que, na sua viagem ao Iraque em março passado, utilizou o exemplo dos tapetes típicos do país, constituídos por geometrias e imagens, que são fruto “do cruzamento de numerosos fios que só permanecendo juntos se tornam uma obra de arte”.

“Se a violência, a inveja e a divisão pudessem rasgar um único desses fios, o conjunto seria danificado”, advertiu o pontífice de Roma.

Nesse momento de desacordos, assegura, “os projetos e acordos humanos têm pouco poder” se não se “confiar no poder restaurador de Deus”.

“Não tentem saciar a vossa sede em fontes envenenadas pelo ódio, mas deixem que os sulcos do campo do vosso coração sejam regados pelo orvalho do Espírito, como o fizeram os grandes santos das vossas respetivas tradições”, convidou Francisco.

E concluiu: “Quantas civilizações e dominações surgiram, floresceram e depois caíram com as suas admiráveis obras e conquistas de território, tudo passou”.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.