Venezuela recebe primeiro lote de vacinas cubanas para imunizar a população

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Caracas recebeu, na quinta-feira, o primeiro lote da vacina cubana Abdala para imunizar a população contra a covid-19, anunciou a vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez.

O anúncio foi feito através da televisão estatal venezuelana, que mostrou imagens da chegada de um avião da companhia aérea Cubana de Aviação e do descarregamento de dois contentores com a vacina cubana.

“Assinámos contratos para 12 milhões de vacinas Abdala, que receberemos nos próximos meses”, disse a governante, sem precisar o total de doses já recebidas, e afirmando que goza de uma eficácia “das melhores do mundo”.

Delcy Rodríguez frisou ainda que é “um sucesso gigante” que Cuba possa oferecer ao mundo a vacina contra a covid-19, apesar do bloqueio dos Estados Unidos,

“Os bloqueios são um crime, são contrários ao Direito Internacional público”, disse a governante, destacando que a chegada da vacina a Caracas coincide com o bicentenário da Batalha de Carabobo, que levou à expulsão das tropas espanholas, no âmbito da luta pela independência da Venezuela.

A Academia Nacional de Medicina da Venezuela (ANM, equivalente à Ordem dos Médicos) já manifestou preocupação pelo anúncio de que o Governo venezuelano vai usar os “candidatos a vacinas” experimentais Soberana 02 e Abdala no processo de imunização da população venezuelana.

“Perante a possibilidade de que, por razões eminentemente políticas, se introduzam esses dois [produtos] biológicos na Venezuela, é necessário esclarecer a realidade da situação. Ambos os candidatos a vacina [Soberana 02 e Abdala] estão baseados em desenvolvimentos experimentais semelhantes aos que estão a ser estudados por outros laboratórios no mundo, mas ainda não resultaram no desenvolvimento de nenhuma vacina de comprovada eficácia”, explicou a ANM, em comunicado.

O documento explica que a principal fonte de informação sobre aqueles produtos cubanos são o jornal Granma, órgão oficial do Partido Comunista Cubano, e que, sobre a Soberana 02, “há uma publicação sobre o seu efeito em modelos animais, e da Adbala não há nada publicado”.

A ANM diz que aqueles produtos precisam de autorização de organismos como a agência norte-americana do medicamento (FDA, em inglês) ou a Agência Europeia dos Medicamentos e uma opinião da Organização Mundial da Saúde e da Organização Pan-americana da Saúde.

Desde março de 2020 que a Venezuela está em quarentena preventiva e atualmente tem um sistema de sete dias de flexibilização, seguidos de outros sete dias de confinamento rigoroso.

O país contabilizou 3.007 mortes e 264.551 casos da doença, desde o início da pandemia, de acordo com dados oficiais divulgados em 23 de junho.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos 3.893.974 vítimas em todo o mundo, resultantes de mais de 179.516.790 casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.